A exposição propõe uma ligação entre a arte e o trabalho de fiscalização realizado pelo TCU. Visitas estarão sujeitas a agendamento prévio e protocolo de segurança relativo ao coronavírus.

O Centro Cultural TCU reabre para visitações com a exposição coletiva Entreligar-se, um olhar para a ligação entre manifestações artísticas e o trabalho realizado pelo TCU. Por meio de fotografias, instalações, esculturas, pinturas, vídeo, grafite e assemblage, emergem reflexões sobre questões essenciais como saúde, meio ambiente, cultura, educação, trabalho, bem-estar social, relações internacionais e segurança, entre outras.

A exposição apresenta trabalhos inéditos e outros já conhecidos de artistas que nasceram ou residem no Distrito Federal. O público encontrará três obras inéditas, duas construídas in loco pelo escultor César Becker e os grafiteiros Daniel Toys e Mikael Omik. A mostra conta ainda com três obras de arte eletrônica, algumas delas interativas, produzidas pelo Medialab/UnB. Formado por bolsistas de iniciação científica, estagiários, professores e estudantes de graduação e pós-graduação em arte e tecnologia, o MediaLab/UnB desenvolve pesquisa em Arte Computacional desde 1986.

Dois exemplos do que a exposição trará são as obras de Valéria Pena-Costa e de Toys e Omik. Valéria traz reflexões sobre doenças físicas, mentais, emocionais e das diferentes, embora comuns, formas de enfrentamento dessas questões via consumismo ou pelo uso muitas vezes exacerbado de medicamentos. Já Toys e Omik questionam as consequências da desigualdade de acesso à educação, seja ela por questões socioeconômicas ou geográficas.

Entreligar-se é, portanto, um convite ao público para que reflita sobre aquilo que atua intensamente sobre o indivíduo, mas que também afeta toda a sociedade, sob a perspectiva da atuação do controle externo.

A exposição apresenta obras de Adriana Vignoli, Bárbara Mangueira, Beto Barata, Cecília Mori, César Flores Becker, Christus Nóbrega, Denise Camargo, Gu Da Cei, Joana França, João Angelini, Johnson Barros, Kazuo Okubo, Mila Petrillo, MediaLab/UnB, Taigo Meireles, Toys e Omik, Valéria Pena-Costa e Virgílio Neto. A curadoria de Karina Santiago.

Em respeito aos protocolos de segurança relativos à Covid-19, as visitas precisam ser agendadas. Agendamentos aqui<https://contas.tcu.gov.br/ords/f?p=600044:106:104002359448600::NO:106:P106_COD:202416>.

Percursos da Saúde no Brasil

O agendamento para a exposição Entreligar-se também inclui a visita à exposição Percursos da Saúde no Brasil, que traz uma reflexão sobre o futuro da saúde brasileira por meio de importantes auditorias feitas pelo TCU. Os processos expostos apresentam de forma lúdica e inovadora questões sobre saúde indígena, atenção básica, média e de alta complexidade, dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). A exposição possui pontos de interatividade como caça-palavras, vídeos, fotos, projeção e objetos museológicos que suscitam reflexões sobre o papel das instituições e dos cidadãos na melhoria da saúde pública brasileira.

Procedimentos de segurança

Em decorrência da epidemia de coronavírus, para visitação será adotado o seguinte protocolo de segurança:
– Agendamento prévio de horário para visita. Agendamentos aqui<https://contas.tcu.gov.br/ords/f?p=600044:106:104002359448600::NO:106:P106_COD:202416>.
– Grupo máximo de dez pessoas por faixa de horário
– Uso obrigatório de máscara e álcool em gel
– Aferição de temperatura na entrada do Instituto Serzedello Corrêa (ISC)
Além disso, as áreas comuns do Centro Cultural serão higienizadas entre as visitas.

Serviço

Período de exibição: a partir de 18 de novembro de 2020
Funcionamento: segunda a quarta-feira, das 10h às 16h, somente com agendamento prévio.
Classificação indicativa: Livre
Entrada gratuita
Contato: (61) 3527.5381

Anterior Yo soy buena: a Espanha já começou o seu legado
Próximo Zizi e Luiza Possi celebram o Natal do Bradesco em 2020