A arquiteta Gabriela Gontijo dá dicas de como harmonizar o ambiente com a cor do pantone

A Pantone, empresa americana de consultoria de cores, elegeu o Classic Blue como a cor que deve ser tendência no ano em moda, design e cultura. A tonalidade “19-4052 Classic Blue” da cartela de cores foi definida como “sugestiva do céu ao entardecer”. Muito utilizado em projetos de arquitetura, o azul clássico vai bem em qualquer cômodo e, por isso, promete invadir a decoração das casas em 2020.

Considerado um tom atemporal e duradouro, elegante em sua simplicidade, o azul do ano pode ser usado em detalhes da decoração do lar. “Gosto de usar em adornos como, por exemplo, almofadas, tapetes, mantas, quadros, poltrona. Algum elemento em que queremos dar destaque sem pesar demais a decoração”, revela a arquiteta Gabriela Gontijo, proprietária do Studio Gontijo Arquitetura e Interiores.

Por ser uma cor sóbria que permite diversas combinações, o azul escuro é versátil e fica bem com laranja, amarelo, verde. Para um ambiente mais clean, pode-se apostar em paredes mais claras que ampliam visualmente o cômodo e contrastar com elementos mais escuros. Além disso, aplicar a cor em objetos de decoração proporciona liberdade aos moradores da casa, podendo brincar com as tonalidades e trocar os artigos sempre que quiser.

A sofisticação da nuance-tendência pode ser levada aos móveis também, dando um toque retrô ao ambiente. Sofás, criados-mudos, mesas de centro, colchas e cobre leitos, mantas, são boas opções para pingar uma gota de azulado no home decor.

Corporativo

Para além da decoração de residências, o Classic Blue cai bem em ambiente corporativos. Em comunicado, a Pantone afirmou que a cor “traz sensação de paz e tranquilidade para o espírito humano, oferecendo refúgio. Ajuda na concentração, trazendo a percepção de clareza”, por esse motivo se torna uma das tonalidades mais apropriadas para empresas e escritórios, para auxiliar na concentração.

Nos locais da empresa em que há maior concentração de funcionários e que exija maior atenção, o azul pode ser aplicado em maiores quantidades, mas sem exageros. Em quadros, adornos, cadeiras ou estofados. “Existem estudos da neuro arquitetura que afirmam que o Classic Blue aguça a concentração. Por isso, em projetos corporativos costumo usar bastante a cor, aplicando em diversos pontos do ambiente”, afirma Gabriela Gontijo.

Outro benefício da coloração é promover relaxamento, portanto também pode ser utilizado em locais comuns de descanso dentro da empresa.

Cuidados

Apesar de ser comumente usado, a arquiteta Gabriela Gontijo alerta para alguns cuidados que devem ser adotados na hora de aplicar o azul clássico nos ambientes da casa. “Não indico utilizar nas paredes, pois fecha o ambiente, dá uma sensação de que o cômodo é menor do que realmente é. Quando coloca no teto, por exemplo, rebaixa e dá uma sensação de teto mais baixo”, explica Gabriela. Quanto à utilização em paredes, a arquiteta aponta: “pode ser usado, mas com muito cuidado”.

A especialista adverte também para o uso em locais de muita permanência na casa. “Estudos comprovam que o azul e o amarelo podem remeter à depressão. Por exemplo, Vincent Van Gogh quando estava numa época muito depressiva ele usava muito o azul e amarelo para compor as obras. Esses tons ficam muito no cérebro das pessoas, por isso não é muito indicado para cômodos de muita permanência”, alerta Gabriela.

Anterior Eddie divulga lado A de novo disco intitulado “Atiça”
Próximo Manifestare Lounge Bar recebe show de Wilian & Marlon