Mundialmente reconhecida por seu plano urbanístico e edificações modernistas, tombados pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, Brasília é sede de segunda edição brasiliense de mostra internacional de filmes de arquitetura.

Com o tema “Memórias em Construção”, o evento acontecerá de 8 a 12 de outubro de 2019 no Setor Comercial Sul, no Cine Drive-in (onde ocorrerá a abertura), e nos Institutos Federais do Recanto das Emas e Samambaia. Além da exibição de filmes, serão realizados painéis temáticos, palestras com pesquisadores [brasileiros e estrangeiros] e intervenção artística em espaço público, tudo com entrada franca.

Dos mais de 500 filmes inscritos, de 55 países sendo quase 100 nacionais, ficou a cargo da curadoria a escolha dos 57 longas e curtas-metragens (lista abaixo) a serem exibidos. “A quantidade e a qualidade surpreenderam os curadores e demonstram o interesse nessa interface entre arquitetura e cinema”, aponta Liz Sandoval, diretora artística da mostra.

Serão apresentados, entre convidados e selecionados, documentários, ficções e experimentais que tratam da vida nas cidades em suas diferentes escalas e complexidades. Os selecionados participarão de sessões com caráter competitivo e os vencedores serão anunciados no encerramento.

À pauta do Cinema Urbana, estará o debate sobre valorização da memória na construção de uma identidade coletiva e que estimule a preservação do patrimônio [arquitetônico e cultural] e da cidadania. Com isso, e após análise do material recebido, a organização chegou a quatro painéis temáticos de debates, sendo: Esquecimentos e afloramentos das ruínas nas cidades, Im/Ex-pressões do corpo urbano, Memórias que se constroem para lembrar ou para exibir; e Deslocamento e pertencimento, no vazio ou no caos.

Concomitante aos debates, acontecem apresentações de 25 trabalhos, entre acadêmicos e projetos de arquitetura, dos mais de 50 submetidos à seleção de um comité científico formado por professores-pesquisadores da UnB, UFRJ, UFRB e da FAUP (Universidade do Porto, em Portugal). A intenção é “ampliar o acesso ao saber arquitetônico e urbanístico, usualmente tão restrito às salas de aulas”, explica Liz.

A escolha do Setor Comercial Sul, como área para a realização das principais atividades da programação, além de emprestar ao projeto uma identidade singular, “se deu por potencializar a reflexão sobre a cidade, ao possibilitar diferentes propostas e vivências da urbanidade brasiliense”, ressalta Liz. O Museu Correios, a Casa de Cultura da América Latina (CAL/UnB) e a Galeria Principal do Setor Comercial Sul são os espaços a serem ocupados.

A seleção dos filmes do Cinema Urbana 2019 será oficialmente anunciada em evento organizado pelo projeto em parceria com o Instituto Federal de Brasília e o Museu Vivo da Memória Candanga dia 16 de agosto, sexta-feira, quando se comemora o Dia Nacional do Patrimônio Histórico. Com o nome “Brasília Patrimônio Vivo”, o evento acontece no Museu Vivo da Memória Candanga, das 8h às 12h, estando marcada para às 11h a exibição dos filmes “Brasília Ano 10”, de Geraldo Sobral Rocha, e “O homem que não cabia em Brasília”, de Gustavo Menezes, coroando o lançamento do Cinema Urbana.

Brasília, Cinema e Arquitetura – O cinema nasceu junto com Brasília, que foi filmada desde antes de sua inauguração. Nomes importantes do cinema nacional conviveram com importantes nomes das artes e da arquitetura: a cidade tem um curso de cinema pioneiro, e as mudanças que aconteceram na capital foram e continuam sendo exaustivamente documentadas pelos numerosos realizadores. Em mostras e Festivais, é possível acompanhar a produção local e verificar a pluralidade de paisagens que traduz a diversidade do território, na questão das paisagens periféricas, culturais, afetivas, que registram Brasília além do Plano Piloto e de sua arquitetura emblemática.

Equipe – Direção geral: Thay Limeira; Direção artística: Liz Sandoval; Produção executiva: Daniela Marinho; e Direção de produção: Bethania Maia.

Mais informações em cinemaurbana.com

Filmes selecionados

Comissão de curadoria: Liz Sandoval, Tania Montoro, Milene Migliano e Tadeu Brito
Abridged, India, Gaurav Puri, 2019, 20`14“
Afeto, Brasil, Gabriela Gaia Meirelles, Tainá Medina, 2019, 15`
Água Mole, Portugal, Alexandra Ramires (Xá), 2017, 09`15“
Alis Ubbo, Portugal, Paulo Abreu, 2018, 60` – youtube.com/watch?v=bl5Q5TcmBbs
Aporia, Itália, Salvatore Insana, 2019, 13`20“
Ars Longa Vita Brevis, Itália, Riccardo Campagna, 2018, 39`32“
Astana, The City of The Future? França, Laurier Fourniau, 2019, 28`28“
Até Onde Pode Chegar Um Filme De Família, Brasil, Rodolfo Junqueira Fonseca, 2018, 75` –youtube.com/watch?v=Dk-drvqMZw0
Born and Raised in The Ghetto Kibera, Kenya, Johan Mottelson, 2018, 22`29“
Born and Raised in The Ghetto Makoko, Nigeria, Johan Mottelson, 2018, 22`29“
Born and Raised in The Ghetto Maxaquene, Mozambique, Johan Mottelson, 2018, 22`41“
Bug, Argentina, Joaquín Ortiz, 2018, 07`31“
Cabeça de Rua, Brasil, Angélica Lourenço, 14`37“
Cartas a un Gorrión, Colômbia, Andrés M. Rojas, Sebastián Motta, 2018, 10` – youtube.com/watch?v=sFRJ97laiy8
Casa dos Arcos, Brasil, Jean Bergerot, 2018, 4`
Central Bus Station, República Tcheca, Tomáš Elšík, 78`
Cine Passeio, Brasil, Vitor Sawaf, 2018, 21`59“
Civitas, Argentina, Guillermo Miconi, 2018, 05`35“
Clarabóia, Japão, Michael Lyons, 2018, 01`30“
Da Curva Pra Cá, Brasil, João Oliveira, 2018, 19`
Dourorganic, Portugal, Lucas Martins, 2017, 02`
Dreaming Squares, Irlanda, Paddy Cahill, Shane O’Toole, 2018, 15`
Espectral, Chile, 2019, 10`40“
Facade Colour: Blue, Ukraine Oleksiy Radynski, 2019, 22`
First Turn on the Left/La Premiere à Gauche, Tunisia, Jhimi Wajdi, 2018, 09`10“
Flying Monks Temple, Letônia, Žanete Skarule, 2018, 56` – youtube.com/watch?v=NZa1OwYNKF0
Give Back the Silent Spring, Turquia, Zeynep Üstünipek, Burak Kum, 2018, 03`00“
I Don’t See Deer, Grécia, Stella Mastorosteriou, Danai Tombrou, 2018, 06`08“
Iris, Líbano, Lea Najjar , 2018, 07`14“
Là est la Maison/Here Is The House, França, Lo Thivolle, Victor De Las Heras, 2017, 13`
La Mujer Nueva York, Chile, Martin Pizarro Veglia, 2018, 02`38“
La Questione Aretina – Storia di una Fortezza costruita contro una Città, Itália, Gaetano Maria
Mastrocinque, 2018, 22`26“ – youtube.com/watch?v=0wzYO17dOtA
La Via Divina /The Divine Way, Alemanha, Ilaria Di Carlo, 2018, 15`
Lava, Argentina, Paula, Dreyer, Gabily Anadón, 2017, 03`37“
Le Case Che Eravamo/ The houses we were, Itália, Arianna Lodeserto, 2018, 18`
Lugar Fósil, Argentina, Florencia Levy, 2019, 15`
Lupa, Alemanha, Aurelia Mihai, 2018, 18`46“
Niemeyer 4 Ever, Líbano, Nicolas Khoury, 2018, 30` – youtube.com/watch?v=RjUhFPsgxqE
No Caminho das Pedras, Brasil, Marco Antonio Pereira, 2019, 72
Permanências, Portugal, Ana Ruivo, Carolina Leal, Cristiano Alves, Esra Arslan, 2019, 6`
Petrichor, Turquia, Mehmet Yavuz Çakar, 2019, 04`
Planeta Fabrica, Brasil, Julia Zakia, 2019, 11`11
Primeiro de Novembro, Portugal, Yuri Pirondi, 2017, 06`36“
Reko City, Alemanha, Jörn Staeger, 2017, 14`03“
Sombras Envolventes, Equador, Michael Lojano, 2019, 15`
Still Turning, Canada, Jesse Pickett, 2017, 10`27“
Testa, Karl-Heinz Klopf, 18`
The Hive, Polônia, Jeremi Skrodzki, 2018, 09`15“
The Inhabitant, Argentina, Diego Mandelman, 2019, 05`20“
The Invisible Streets, Reino Unido, Joe Gilbert, 2017, 12`43“
The Pit, Turquia, Muhammed Furkan Altınkaynak, 2018, 11`10“
The Sea Swells, República Islâmica do Irã, Amir Gholami, 2018, 16`15“
There Was A Country, Turquia, Hebun Polat, 2018, 03`57“
Today Might Be the Last Day I See Your Face, Portugal, Vasco Mendes, 2019, 06`
Tshweesh, Líbano, Feyrouz Serhal, 2017, 25`
Woodstock At Fifty: A Venue For The End Of The World, Australia, Aidan Prewett, 2019, 49`36“ –youtube.com/watch?v=JccZTTlLfJQ
XCTRY, Estados Unidos, Bill Brown, 2018, 06`18“

Anterior Geléia de Águas Claras terá uma tarde de Cheese Bacon por R$9,99
Próximo Thiago Elniño apresenta o impactante “Pretos Novos”