Espetáculo e bate-papo com Denise Stutz, mostras de processos e lançamento de livro acontecem nos dias 15 e 16 no Centro de Dança do DF

Encerrando o primeiro módulo da programação de 2018, com a linha curatorial de “Dança e Memória”, o Centro de Dança do Distrito Federal recebe diversas atividades abertas ao grande público. Nos dias 15 e 16 de junho, haverá mostras de processos, lançamento de livro e a destacada presença da bailarina Denise Stutz (RJ), apresentando um espetáculo solo e participando de bate-papo.

A pauta começa na sexta-feira, às 19h, quando o Centro de Dança se transforma em palco para mostras dos resultados de seus primeiros processos criativos. Denise Stutz, uma das fundadoras do Grupo Corpo, com mais de 40 anos de frutífera carreira, exibe, com seu grupo de artistas selecionados do DF, o desdobramento da residência artística “Corpo presente”. O foco está na experimentação de um corpo que se move a serviço da imaginação e dos sentidos, impulsionado por imagens, associações e memórias. Jogos corporais estabelecem relações e ampliam a percepção do que nos rodeia: o espaço, o tempo, os outros.

Em seguida, as duas propostas selecionadas na convocatória de processos criativos em dança do Centro de Dança do DF também mostrarão o que criaram até aqui. São trabalhos representados pelas proponentes Luiza Fiuza Vilaça Farias, à frente de uma criação em grupo, e Letícia Medeiros Estevam, num duo. Eles vêm trabalhando continuadamente desde o dia 2 de maio.

Já para o sábado, às 18h, está marcado o lançamento do livro “Balé sobre outros eixos: traçados de William Forsythe para a criação das Tecnologias de Improvisação”, de Rousejanny Ferreira. Mestre em Performances Culturais, especialista em Pedagogia da Dança e em Filosofia da Arte, graduada em Educação Física, Rousejanny é professora do curso de Licenciatura em Dança do Instituto Federal de Goiás. É interessada pelas questões históricas, políticas e estéticas que atravessam as danças acadêmicas e atua como diretora do projeto “Pelas Beiras”, que investiga contextos da cena goianiense. A publicação discute os contextos e reformulações na dinâmica do balé propostos pelo coreógrafo norte-americano William Forsythe, entre as décadas de 1980 e 90.

Denise Stutz no Centro de Dança – Para encerrar com a oportunidade privilegiada de acessar o trabalho de um importante nome da história da dança nacional, no dia 16 de junho, às 19h, Denise Stutz apresenta o espetáculo “3 Solos em 1 Tempo”, em que assina texto, direção e interpretação da peça. O trabalho é uma reflexão em cena sobre três criações da artista: “DeCor” (2003), “Absolutamente Só” (2005) e “Estudo para Impressões” (2007). Aborda a questão da memória inscrita no corpo, as relações da identidade na dança e no movimento. “Isto me permitiu brincar com o espaço e o tempo e transformar as três obras em uma só. Um jogo cênico. Em alguns momentos, transformando a plateia em parceira e, em outros, convidando o espectador para um olhar de contemplação, imagens e pensamentos”, explica Denise.

Após a sessão, ela participa do Tête-à-Tête, com mediação do artista e pesquisador Rafael Guarato (MG/GO): uma espécie de entrevista coletiva com a participação dos presentes. Nascida em Belo Horizonte e radicada no Rio de Janeiro, Denise Stutz trabalhou com nomes como Lia Rodrigues, Klauss Vianna, Clyde Morgan, Graciela Figueroa e Angel Vianna, tendo sido, inclusive, professora da Escola e Faculdade de Dança Angel Vianna. Junto com outros 10 bailarinos, fundou, em 1975, o Grupo Corpo, onde permaneceu até 1986. Desde 2003, desenvolve trabalho solo, tendo se apresentado em todo o Brasil e na França, Espanha, Portugal, Austrália, Alemanha e Cabo Verde. Suas peças têm grande reconhecimento da crítica especializada.

Centro de Dança do DF – Fundado em 1993 e com histórico fundamental para a cena da dança brasiliense e brasileira, o Centro de Dança oferece espaço físico de ponta para o desenvolvimento de atividades que desdobrem e contribuam para as políticas públicas do setor. Tendo sido locus de companhias importantes do DF, o Centro passou a fazer parte, em 2009, dos equipamentos públicos de cultura gerenciados pela Secretaria de Cultura do Distrito Federal.

O Centro de Dança do DF foi reaberto em fevereiro, após cinco anos fechado e uma ampla reforma que requalificou toda sua estrutura, com valor aproximado de R$ 3,2 milhões financiados pela Terracap (Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal). Estão renovadas as suas cinco salas de práticas corporais, sete salas de produção, gestão e reflexão teórica, além de videoteca, jardim interno, salão de estar e cozinha.

A gestão da programação do local está sendo conduzida pela Secretaria de Cultura em parceria com a Conexões Criativas, associação selecionada por meio de edital público. A colaboração é baseada na Lei Federal 13.019/2014, conhecida como Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), está integrada ao programa “Lugar de Cultura”, de valorização e preservação do patrimônio da cidade, e alinhada à Política de Estímulo e Valorização da Dança do DF.

Serviço

15 de junho (sexta-feira), 19h: Mostra de processos
Residência artística “Corpo Presente”, com Denise Stutz
+ Processos criativos do Centro de Dança do DF

16 de junho (sábado), 18h: Lançamento de livro
“Balé sobre outros eixos”, de Rousejanny Ferreira

16 de junho (sábado), 19h: Denise Stutz
Espetáculo “3 Solos em 1 Tempo” + Tête-à-Tête

Todas atividades são abertas ao público e gratuitas

Anterior Documentário BICHA! - A Luta Pela Liberdade nos Estádios
Próximo Confira a programação semanal da Shed nos dias 13 e 15 de junho