Exposição ‘Classicismo’, que fica em exibição no CCBB Brasília até 20 de janeiro, inclui obra de Modigliani

Em 2018, as 10 obras de arte mais caras quebraram novos recordes. Entre elas, está a pintura “Nu Couché” de 1917 de Amedeo Modigliani, vendida por mais de US$ 157 milhões. Na exposição “Classicismo, realismo, vanguarda: Pintura Italiana no entreguerras”, atualmente em exibição no CCBB Brasília, o público tem a oportunidade de conhecer mais trabalhos desse artista, como a preciosa ‘Autoritratto’ de 1919, grande destaque da mostra.

A exposição apresenta 67 pinturas que retratam a arte italiana dos períodos entre a Primeira Guerra Mundial e o pós-Segunda Guerra Mundial, constituindo uma das coleções mais importantes desse período, fora da Itália. E traz ainda grandes referências como: Carlo Carrà, Afro Basaldella, Renato Guttuso, Mario Sironi, Giorgio De Chirico e Felice Casorati,

A realização é uma parceria entre a Embaixada da Itália em Brasília, o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, o Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília, o Consulado Geral da Itália e o Instituto Italiano de Cultura de São Paulo

Sobre o artista

Modigliani estudou na Académie Colarossi e fez parte da Escola de Paris, movimento artístico e intelectual criado no entreguerras. Era um jovem impetuoso e de personalidade forte. Ficou conhecido por pintar nus sensuais, mas a sua maior característica era retratar olhares vazios ou apenas borrões nos rostos pintados, conhecidos como ‘olhos de Modigliani’.

Informações gerais

Classicismo, Realismo, Vanguarda: Pintura Italiana no Entreguerras
Data: Até 20 de janeiro de 2019
Hora: 09h às 21h
Local: Galeria I do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) – Brasília (Setor de Clubes Sul, Trecho 2, Lote 22)
Ingressos: Entrada gratuita mediante retirada de ingressos na bilheteria
Livre para todos os públicos

Autoritratto de Amedeo Modigliani
Autoritratto de Amedeo Modigliani | Foto: Divulgação
Anterior SKOL faz a roda girar de novo e lança a primeira puro malte
Próximo Agenda cultural do Dolce Far Niente de 2 a 6 de janeiro