Artistas que fazem parte da mostra “Exercícios do olhar: plural – singular”, da ocupação da Galeria Karla Osorio, participam de encontros, palestras e visitas mediadas com entrada gratuita no CasaPark

Como parte da programação da ocupação que a Galeria Karla Osorio realiza na Galeria Casa, nesta sexta-feira, 8 de março, às 17h30, acontece o encontro com os artistas visuais Bené Fonteles, José Ivacy e Marcelo Solá. Durante o evento, os artistas abordarão temas como produção e processos criativos e participam de uma visita mediada com a participação da galerista e organizadora da exposição Karla Osorio e do professor Marco Antônio Vieira, autor de texto sobre a mostra. A Galeria Casa fica no 1º Piso do CasaPark, no corredor do Espaço Itaú de Cinema. A entrada é gratuita e a classificação indicativa é livre para todos os públicos.

Ao longo do período de ocupação da Galeria Casa, que segue até o dia 24 de março, a Galeria Karla Osorio realizará palestras e visitas mediadas. No dia 12 de março, terça, às 17h o artista Dirceu Maués apresenta a palestra “Artesania, tecnologia e poética em fotografia”, em que aborda a técnica de fotografia com pinhole e o processo de sua criação artística.

No dia 16 de março, sábado, às 17h, é a vez do artista Alamndrade realizar a palestra “Do verbo ao conceito”, em que fará um breve depoimento de um fazer artístico, desenvolvido ao longo das últimas quatro décadas, calcada em três eixos: a poesia visual (Poema /Processo) a tendência construtiva (Neo-Concretismo) e a Arte Conceitual. Dos encontros, participam a galerista e o professor Marco Antônio Vieira. A participação do público é gratuita e a classificação indicativa é livre.

A mostra coletiva “Exercícios do olhar: plural – singular” apresenta ao público as obras dos artistas visuais Almandrade (BA), Bené Fonteles (PA), Dirceu Maués (PA), Galeno (PI), José Ivacy (MG) e Marcelo Solá (GO).

A seleção de artistas realizada pela galerista Karla Osório é um recorte do acervo entre as obras dos 21 artistas representados pela galeria de Brasília que reúne brasileiros de diversas gerações e trajetórias singulares, todos já com presença internacional. O texto curatorial é de Marco Antônio Vieira. Com entrada gratuita, a visitação é de terça a domingo, das 14h às 22h.

Sobre os artistas

Almandrade (1958, BA) – Artista plástico, arquiteto, mestre em desenho urbano, poeta e professor de teoria da arte das oficinas de arte do Museu de Arte Moderna da Bahia e Palacete das Artes. Participou de várias mostras coletivas, entre elas: XII, XIII e XVI Bienal de São Paulo; “Em Busca da Essência” – mostra especial da XIX Bienal de São Paulo; IV Salão Nacional; Universo do Futebol (MAM/Rio); Feira Nacional (São Paulo); II Salão Paulista, I Exposição Internacional de Escultura Efêmeras (Fortaleza); I Salão Baiano; II Salão Nacional; Menção honrosa no I Salão Estudantil em 1972.

Integrou coletivas de poemas visuais, multimeios e projetos de instalações no Brasil e exterior e é um dos criadores do Grupo de Estudos de Linguagem da Bahia que editou a revista “Semiótica” em 1974.

Realizou mais de trinta exposições individuais em Salvador, Recife, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo entre 1975 e 2018 e participou de feiras de arte nacionais e internacionais, como SP-Arte, Art-Rio, VOLTA NY e Basel, EXPO Chicago, India Art Fair, entre outras.

Tem trabalhos nos principais museus do Brasil e no exterior, com destaque para as coleções do Museu de Arte do Rio (sob curadoria de Paulo Herkenhoff) e do Museum of Contemporary Art de Chicago.

Também publicou os livros “O Sacrifício dos Sentidos”, “Poemas” e “Suor Noturno” e na imprensa, “Arquitetura de Algodão”. Suas poesias procuram dar palavras de intensidade plástica e é um dos grandes nomes da poesia visual e do movimento neoconcretismo brasileiro.

Bené Fonteles (1953, PA) – Vive e trabalha em Brasília. É artista plástico, jornalista, editor, escritor, poeta e compositor. Iniciou sua carreira em 1971, participando do 3º Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará.

Seu trabalho artístico autoral se apropria da transformação de materiais simples e muitas vezes frágeis, naturais ou pouco trabalhado pelo o homem, como pedras, pedaços de troncos, cordas, tecidos rústicos, arames, entre outros. Participou em 5 edições da Bienal de São Paulo, com destaque para a 32ª edição, com o projeto Ágora: OcaTaperaTerreiro (curadoria Jochen Volz e Julia Rebouças).

Integrou o Panorama de Arte Atual Brasileira no MAM de SP e mostras experimentais no Museu de Arte Contemporânea da USP. Dentre suas exposições individuais, destacam-se “Sudários” no Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO em Brasília, “Audiovisuais” e “Terra” realizadas na Pinacoteca do Estado de São Paulo; “Bené Fonteles” no Parque Lage no Rio de Janeiro; Galeria Jacqueline Martins (2018).

Tem obra em diversas coleções privadas e acervos públicos e institucionais em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Fortaleza, Belém, Cuiabá, Paris e Nova Iorque. Além do trabalho autoral como artista visual, organizou e publicou diversos livros e catálogos sobre artistas como Rubem Valentim, Mario Cravo Neto, Athos Bulcão etc.

Faz curadorias e projetos de expografia em artes visuais. Foi diretor do Museu de Arte da UFMT e Museu de Arte de Brasília. Recebeu do Ministério da Cultura e da Presidência da República a Ordem do Mérito Cultural.

Dirceu Maués (1975, PA) – Vive e trabalha entre Brasília e Belo Horizonte. Graduado e Mestre em Artes Plásticas pela UnB. Foi fotógrafo dos principais jornais impressos em Belém-PA. Em 2003, iniciou trabalho autoral nas áreas da fotografia, cinema e vídeo, a partir de pesquisas com a construção de câmeras artesanais e utilização de aparelhos precários.

Artista residente na Künstlerhaus Bethanien/Berlim (Rumos Itaú Cultural) e ganhou a Bolsa Funarte de estimulo à criação artística. Participou do projeto Encontros com a Fotografia – FNAC/2009. Realizou exposições individuais em Berlim, Montevidéu, Katowice (Polônia), São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba e Belém.

Artista residente na WBK Vrije Academie, em Haia/Holanda, resultado de uma premiação no 17º Festival SESC_VideoBrasil. Obras em coleções como: Pirelli-Masp, FNAC, Videobrasil, MAC-PR (Museu de Arte Contemporânea – Paraná), MARP-SP (Museu de Arte de Ribeirão Preto), MEP-PA (Museu do Estado do Pará), Coleção Joaquim Paiva, Coleção Rubens Fernandes Jr e Coleção do MAR (Museu de Arte do Rio, entre outros).

Galeno (1958, PI) – Galeno é um proeminente artista brasileiro, nascido no Delta do Parnaíba no Piauí (1957) e vive entre Brasília e Parnaíba. Ele estudou artes visuais na Universidade de Brasília (UNB) e em ateliê de alguns artistas.

Com trabalhos que variam entre a pintura, desenhos, gravuras, afrescos, esculturas e instalações, ele é um dos artistas brasileiros mais ativos, no entanto – por escolha própria – ele se mantém um tanto quanto isolado no norte do país. Influenciado principalmente pelo construtivismo brasileiro e movimento neoconcretista, a geometria é um elemento essencial em seu trabalho.

É seguro dizer que ele cria “sua própria e colorida geometria”. De uma forma essencialmente particular, seu trabalho flutua entre o figurativo e elementos abstratos em um exercício de interpretação. Pela sua fantástica e singular tratamento da cor e composições sofisticadas, ele estabelece um ritmo e constrói um universo vibrante.

Contemporâneo, mas fortemente ligado à sua história pessoal, que ele torna universal pela sua simbologia poética. Ele incorpora elementos inesperados e inovadores, retratando de forma erudita o seu caminho artístico.

Dentre dos seus assuntos abordados, estão objetos, como: carretéis, lamparinas, fechaduras, camaleões, fragmentos de uma arquitetura moderna, barcos de rio, santos e relicários, que como um todo, fazem parte de um novo vocabulário. Arte e vida estão juntas, contando histórias e compartilhando um passado, formando um novo futuro na arte.

Galeno participou de diversas exposições conjuntas e individuais pelo Brasil e exterior, principalmente na Europa. Há inúmeros textos e publicações sobre o seu trabalho.

Já recebeu diversos prêmios, de aquisições e também para residências no exterior. Em 2012 ele foi escolhido pelo IPHAN/MinC. para produzir o painel da Igreja Nossa Senhora de Fátima em Brasília, sucedendo o grande pintor ítalo-brasileiro, Alfredo Volpi e também participou da Bienal do Mercosul em 2015.

Seus trabalhos estão presentes em coleções públicas e privadas no Brasil e exterior, incluindo no Museu de Arte do Rio de Janeiro (sob a direção de Paulo Herkenhoff), Museu de Arte Moderna do Rio, entre outros.

José Ivacy (1960, MG) – Nascido 1962 e natural de Morada Nova, desde os anos 80 trabalha intensamente com obras que tem como característica a artesania e a manipulação de diversos materiais, principalmente a madeira e metais.

Visível em suas pinturas e objetos, um complexo conjunto de formas geométricas e orgânicas, percorrendo um caminho próprio no campo da inventividade. Participou de diversas mostras coletivas de artistas em Brasília e atualmente dedica-se ao trabalho de atelier em Sobradinho, onde vive e administra a galeria ManOObra.

Marcelo Solá (1980, GO) – Nasceu em 1971 e vive e trabalha em Goiânia. Seu trabalho orienta-se para a nova área limítrofe do desenho. Desenho-pintura, desenho-instalação, as vezes com objetos, sempre como atividade ampliada, quase obsessiva, e que ganha características fora do gênero. Já há alguns anos sua obra recebe atenção da crítica especializada, inclusive no exterior.

Já participou de diversas exposições coletivas e das individuais, destacam-se as realizadas na Galeria Casa de Cultura Laura Alvin, 2010; Nova Arte, 2009; Centro Cultural Banco do Brasil, 2009; Galeria Virgilio, 2009; MAMAM no Pátio, Recife, 2009; Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO, 2009; Funarte, Brasília, 2005; no Museu de Arte Contemporânea, Goiânia, na Galeria Casa Triangulo, São Paulo, em 1999; no Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro; no Centro Cultural São Paulo, São Paulo, em 1997.

Sobre a Galeria Casa

A criação da Galeria Casa é uma iniciativa do CasaPark e opera em forma de ocupação. A cada mês, uma galeria de arte da cidade se instalará no espaço para realizar exposições, encontros com artistas e curadores, palestras, visitas orientadas e ateliês abertos com entrada gratuita. A programação de ocupações e mostras será divulgada pelo Instagram / @galeria_casa.

Serviço

Bené Fonteles, José Ivacy e Marcelo Solá.
Conversa com os artistas e visita mediada à mostra
“Exercícios do Olhar: plural-singular”
Da Ocupação 1: Galeria Karla Osorio
Quando: 8 de março, sexta-feira, às 17h30
Onde: Galeria Casa
Entrada: Gratuita
Classificação indicativa: Livre para todos os públicos

”Exercícios do Olhar: plural-singular”
Exposição coletiva com obras de Almandrade (BA), Bené Fonteles (PA), Dirceu Maués (PA), Galeno (PI), José Ivacy (MG) e Marcelo Solá (GO)
Local: Galeria Casa
Endereço: CasaPark – 1º Piso, corredor do Espaço Itaú de Cinema
Visitação: até 24 de março
De terça a domingo, das 14h às 22h
Entrada: Gratuita
Classificação indicativa: Livre para todos os públicos

Obra Bené Fonteles
Obra Bené Fonteles | Foto: Divulgação
Anterior Cia Néia e Nando traz Aventura Canina ao Brasília Shopping
Próximo Carnaval Samambaia 2019: nem ‘sacro’ nem ‘profano’