Online e gratuito, Cabíria Festival exibe 35 filmes e 22 microfilmes, promove debates, oficinas e painéis de 18 a 29 de novembro

O Cabíria Festival – Mulheres e Audiovisual é dedicado à produção realizada por mulheres e pessoas de identidades de gênero diversas para promover maior representatividade e diversidade nas telas e atrás das câmeras. Em sua 2ª edição, de 18 a 29 de novembro, o formato será online e totalmente gratuito, com uma programação composta de 35 filmes e 22 microfilmes em exibição, além de debates, oficinas, masterclasses e painéis.

Para participar, basta acessar a programação por meio de cadastro simples nas plataformas Videocamp, para títulos de longas e médias-metragens e Cardume, para os curtas, que terão sessões online seguidas de debate. Painéis, mesas e masterclasses terão lives no  Youtube do festival. Para conferir toda a programação é só clicar no site: www.cabiria.com.br

Realizado presencialmente no Rio de Janeiro em sua primeira edição e agora disponível para todo o país no formato virtual, em atenção às restrições sanitárias do COVID-19, o evento promove um encontro entre audiência, cadeia produtiva e cineastas do Brasil e dos países convidados – Alemanha, Argentina, Canadá, Costa Rica e França – em busca de reflexões, ampliação de redes e impulsionamento de talentos.

A partir do tema “Imaginários possíveis, rupturas em processo”, o recorte da curadoria reforça os desejos de compartilhar a diversidade de atuações no audiovisual. A proposta é estimular o rompimento com ciclos históricos de violência e silenciamento de grupos com pouca representatividade no setor – e na sociedade como um todo -, expressando subjetividades e imaginários que se tornam possíveis através das telas. Como uma síntese simbólica do tema, a cineasta homenageada é a Patrícia Ferreira Pará Yxapy, indígena da etnia Mbyá-Guarani, com uma mostra de 11 filmes, incluindo um título no qual é personagem.

O festival é uma expansão do Cabíria Prêmio de Roteiro, que desde 2015 premia histórias escritas e protagonizadas por mulheres. Para esta edição, foram mais de 250 inscrições nas categorias de longa de ficção, argumento infantojuvenil de longa ficção, piloto de série de ficção e documental. As premiadas participarão do Cabíria LAB, entre de 30 de novembro a 5 de dezembro, um ambiente de estímulo ao desenvolvimento das histórias através de consultorias.

Para Marília Nogueira, da Ipê Rosa Produções, e Vânia Matos, da Laranjeira Filmes, realizadoras do festival, o evento reforça a importância não apenas da igualdade de gênero nos espaços de trabalho, mas também a do protagonismo em suas próprias histórias. “No contexto do audiovisual, a iniciativa soma à luta para que mulheres tenham vez e voz ao contar suas vivências, seja escrevendo roteiros, dirigindo projetos ou atuando em personagens de destaque”, afirma Marília. “Já fora das telas, o Cabíria Festival – Mulheres & Audiovisual promove o reflexo desse empoderamento na vida pessoal de cada mulher, incentivando e respeitando seu direito de escolha, suas experiências e demandas”, reforça Vânia.

Além disso, diante dos cortes dos financiamentos públicos e privados à cultura e da constante ofensiva ao setor promovida pelo governo federal, o festival reúne profissionais diversxs para resistir e reagir. A ideia é pensar alternativas para desenvolver projetos, resguardar os empregos gerados pela indústria do audiovisual e manter ofertas de programação para o público.

O Cabíria Festival – Mulheres & Audiovisual conta com uma talentosa equipe de colaboradoras, além de uma rede que reúne 33 parcerias dedicadas a transformar a sociedade num lugar mais diversificado e igualitário. As organizadoras acreditam que, em tempos marcados por profundas crises políticas e de constantes ataques à democracia, é ainda mais vital a união de forças.

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO

– Quarta-feira, 18/11, às 20h30m – Evento online de abertura e entrega do Cabíria Prêmio de Roteiro. Em seguida, as estreias da Mostra Homenagem à Patrícia Ferreira Pará Yxapy, disponível durante todo o festival, e do longa documental “Sementes” de Éthel Oliveira e Júlia Mariano (disponível por 24h, no Videocamp); Evento acessível em libras.

– Diariamente, de 19 a 29/11, sempre às 18h, uma dupla de microfilmes da Mostra Imaginários Possíveis será lançada no site Hysteria e do festival. Em parceria com a Hysteria foi feita uma curadoria compartilhada que selecionou 22 microfilmes de todo Brasil, com temáticas variadas.

– Quintas e sábados, 19, 21, 26 e 28/11, sempre às 19h – Sessões gratuitas de curtas online, seguidos de debates, na plataforma Cardume TV;

– Sextas e domingos, 20, 22, 27 e 29/11, sempre às 19h – Debates sobre os longas. Os filmes podem ser acessados gratuitamente na plataforma Videocamp. É importante verificar os períodos de exibição;

– Quinta-feira, 19/11, às 11h – Painel: “Por um Audiovisual Possível”, que reunirá cinco produtoras fora do eixo Rio-SP, como Filmes de Plástico (MG) e Carnaval Filmes (PE), para debater os arranjos criativos do cinema independente. Acessível em libras.

– Quinta-feira, 19/11, às 21h – Apresentado por Telecine e Embaixada da França no Brasil, sessão única, online e gratuita, do filme “Papicha”, no Youtube do Telecine. O premiado filme será o tema da masterclass internacional com a realizadora Mounia Meddour, no dia 20/11, às 11h, também no Youtube do Telecine.

– Terça-feira, 24/11, às 19h – Mesa: “Produção Criativa e Internacionalização” com Elisa Tolomelli (EH! Filmes/BR), Fernanda Lomba (Nicho 54/BR) e Maya Bastian (Canadá), mediadas por Kate Lyra (LATC/BR). Tradução consecutiva.

– Quarta, 25/11, às 19h – Debate especial com a cineasta homenageada Patrícia Ferreira Pará Yxapy que ao lado da realizadora Luz Jachuka Miri (Missiones/Argentina) falará sobre sua filmografia e processo criativo;

– Quinta-feira, 26/11, às 10h30m – Painel: “Políticas e iniciativas de ruptura” que reunirá cinco diferentes iniciativas em prol da igualdade de gênero no audiovisual, entre elas a alemã Pro-Quote Film, a francesa Collectif 50/50 e a brasileira APAN. Acessível em Libras. Tradução consecutiva.

– Sexta-feira, 27/11, às 11h – Apresentado pelo Goethe Institut, a masterclass com a performer e cineasta alemã Nadja Verena Marcin acerca da sua pesquisa que explora a interseccionalidade do feminismo e da arquitetura emocional no audiovisual. Tradução consecutiva.

– Domingo, 29/11, às 19h às 20h – A diretora argentina Andrea Testa (“Niña Mamá”) e a costa-riquenha Antonela Sudasassi (“O Despertar das Formigas”) participarão de um debate ao lado de Viviane Ferreira (“Um dia com Jerusa”). Tradução consecutiva.

– No encerramento em 29/11, às 20h, será lançado o ebook “Mulheres nas telas e atrás das câmeras”, publicação que reúne 14 textos, entre artigos científicos e críticas de filmes, todos assinados por mulheres, brasileiras pensadoras, pesquisadoras, fazedoras e críticas de cinema. Organizado por Danielle Noronha e Maíra Ezequiel, com prefácio da cineasta e pesquisadora Nina Tedesco.

Na área de formação e impulsionamento de talentos destacam-se a oficina de “Crítica cinematográfica” com Flavia Guerra, o workshop “Narrativas Não Ficcionais” com Ana Abreu, os estudos de caso de realities com Maristela Mattos e a masterclass de desenvolvimento de projetos com Raquel Leiko. Atividades com inscrição previa obrigatória até dia 10 de novembro e sujeitas à lotação.

PARCERIAS
O Cabíria Festival – Mulheres & Audiovisual conta com diversas parcerias, entre elas: Embaixada da França no Brasil, Goethe Institut, Spcine, Instituto Alana, Videocamp, Projeto Paradiso, Tertúlia Narrativa, Telecine, ETC Filmes, Selo ELAS, Hysteria, Cardume Curtas, Mubi, LATC, Imprensa Mahon, Canal Curta!, Canal Brasil, entre outras.

Sobre o Prêmio Cabíria
Idealizado por Marília Nogueira sob o lema “Por mais mulheres nas telas e atrás das câmeras”, o Prêmio Cabíria foi lançado em 2015. Seu nome resgata uma célebre personagem de Federico Fellini no filme “Noites de Cabíria”, eternizada pela atriz Giulietta Masina. Sua criação colocou em pauta três objetivos principais: estimular roteiristas a criarem histórias com protagonistas mulheres diversas e inspiradoras; converter o prêmio em um selo de qualidade para os projetos premiados; e contribuir para a visibilidade a roteiristas mulheres.

Desde sua criação recebeu 700 roteiros e distribuiu cerca de R$ 40 mil em prêmios. Em 2020, sua 5ª Edição, foram mais de 250 inscrições número que expressa o aumento da presença de mulheres no setor.

O amadurecimento da premiação dá origem ao Cabíria LAB, um espaço de impulsionamento de talentos e contribuição para o desenvolvimento de histórias escritas e protagonizadas por mulheres, além das já tradicionais credenciais para eventos parceiros.

Laranjeiras Filmes

Foco na produção criativa de conteúdos originais e projetos audiovisuais que conciliem excelência estética, impacto social e potencial de comunicação. Com sede no Rio de Janeiro, aberta para o mundo, a produtora, sob as perspectivas de renovação de processos produtivos e no impulsionamento de novas vozes, se organiza em dois núcleos: a Laranjeiras Filmes atende demandas de perfil executivo, consultivo e gerencial de projetos, enquanto o selo Fruto Conteúdo é direcionado para o desenvolvimento criativo e estratégico de conteúdos para todas as mídias e telas. Acredita nos potenciais transformadores da soma de experiências plurais e do trabalho colaborativo para a realização de projetos relevantes, diversos e inspiradores. www.laranjeirasfilmes.com

Anterior Serviço especializado em pedido de casamento em Brasília
Próximo Arte e cultura presentes nos quatro cantos do DF