Bruna Lucchesi e Vinicius Bastos Gomes lançam MEO em show online e gratuito na 38a Oficina de Música de Curitiba. MEO traz versões camerísticas em piano e voz de composições de Amy Winehouse, Egberto Gismonti, Francisco El Hombre, entre outros

Bruna Lucchesi e Vinicius Bastos Gomes fazem show de lançamento na quarta feira, 27 de janeiro de 2021 às 12 horas, o álbum MEO no prestigioso Oficina de Música de Curitiba, evento que reúne música erudita e popular tradicional da capital paranaense que este ano faz sua 38a edição – desta vez online.

A dupla lançou o álbum MEO em dezembro de 2020 com um repertório de clássicos do Pop e da MPB em música camerística, piano e voz. Inusitadas composições de Egberto Gismonti, Amy Winehouse, Clube da Esquina, Francisco El Hombre, Caetano Veloso, Lupicínio Rodrigues, ganharam novas roupagens e pela primeira vez poderão ser vistas e ouvidas ao vivo pelo site oficial: https://oficinademusica.curitiba.pr.gov.br/. A apresentação é ao vivo, gratuita e pode ser assistida após transmissão.

Sobre o álbum MEO

Meo é o título que o álbum da cantora e compositora Bruna Lucchesi e do pianista Vinicius Bastos Gomes recebeu. O trabalho chegou a todas as plataformas digitais no dia 3 de dezembro de 2020. Ouça o álbum: https://tratore.ffm.to/brunaeviniciusmeo

“Mismo”, composição de Estrela Leminski e Leo Minax, “Canção Necessária” de Guinga e José Miguel Wisnik, “El Cosechero” de Ramón Ayala, “Dança da Solidão” de Paulinho da Viola, “Caramujo” de Gustavo Infante, “Triste, Louca ou Má” de Francisco El Hombre, “Clube da Esquina 2” de Milton Nascimento, Lô Borges e Márcio Borges, “Frevo” de Egberto Gismonti, “A Terceira Margem do Rio” de Caetano Veloso e Milton Nascimento, “Olho D’água” de Paulo Jobim e Ronaldo Bastos, “You Know I’m No Good” de Amy Winehouse, “Negras Memórias” de Diogo Nazareth e “Nunca” de Lupicínio Rodrigues são as faixas que compõem o trabalho.“Escolhemos repertório pensando em canções que tenham espaço para nossa interpretação. Ao definir o repertório do disco, procuramos inserir algumas canções unânimes, canções bastante conhecidas para aproximar o público da nossa formação camerística. Em “You Know I’m No Good” da Amy Winehouse, por exemplo, mantivemos o groove super característico da canção e desconstruímos melodia e letra. Buscamos canções que permitam este tipo de abordagem, em diferentes graus e formas de desconstrução”, explica Bruna Lucchesi. No trabalho, não há solo ou acompanhamento, a voz e o piano se entrelaçam o tempo todo, “uma das premissas do nosso trabalho é desmistificar a música de câmara. Queremos que o nosso trabalho seja uma porta de entrada para as salas de concerto, para o público que ainda não está habituado a este tipo de ritual”, completa.

Ambos se conheceram no curso de música popular da Unicamp e conviveram muitos anos entre bandas do ambiente universitário, que dividiam integrantes em comum, mas juntos foram tocar juntos pela primeira vez apenas em 2015 quando chegaram a Curitiba. Assim que começaram a se encontrar regularmente para tocar, criaram afinidade musical e encontraram na formação voz e piano o potencial para fazer música com liberdade.

Sobre os artistas

Bruna Lucchesi

A cantora e compositora curitibana Bruna Lucchesi, 30 anos, é uma boa surpresa para os ouvidos contemporâneos. Seu primeiro EP solo “Blär” (2019, Independente) – título extraído de um dos jeitos de escrever o apelido dela, os outros são Blurs, Blãr e Blur – faz um apanhado de quatro faixas delicadamente costuradas como uma colcha de retalhos. Cada uma revela uma personalidade única, sem repetições de fórmulas.

Bruna Lucchesi é uma promessa que veio de Curitiba e escolheu São Paulo como base depois de cursar Música Popular na UNICAMP, orientada pela professora Regina Machado, e concluir o curso de mestrado na Berklee College of Music (Valência, ES). Durante dois anos (2012 a 2014) fez parte do grupo de pesquisa dirigido pelo cantor, compositor e pesquisador São Yantó (que antes assinava como Lineker), que deu origem ao coletivo NUA.

Lançou álbuns com bandas como Telecoteco (2014) e o Yanay (2016). Fez shows em cidades de Minas, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e pela Europa. Nos Estados Unidos, foi selecionada para representar o Brasil no One Beat, programa de residência musical baseado em Nova Iorque que reuniu 20 artistas de diferentes países para 20 dias de criação coletiva.

No show, a voz de Lucchesi atravessa o ouvinte por meio da sensibilidade. Explorando narrativas e identidades, ela cria um universo intimista que conecta voz, guitarra e público. Com canções que partem do coração e uma performance visceral, a cantora conduz uma experiência que instiga e emociona. Cores de Bruna Lucchesi, uma explosão de cores.

Discografia:

2007 – Pangea – Papo Coral
2008 – Nöel – Papo Coral
2014 – É Hora de Trocar as Válvulas – Telecoteco
2016 – YANAY – Yanay
2019 – BLÄR
2020 – EVA – Ligiana Costa (participação)

Vinícius Bastos Gomes

Natural de São João Del Rei, MG, o pianista Vinicius Bastos, 27, começou sua vivência musical com a guitarra, mas logo se aprofundou no piano. Traz em seu currículo importantes realizações. Um de seus trabalhos, a gravação do primeiro álbum do Âmago Trio, grupo de improvisação do qual é idealizador, conta com participações de alguns dos músicos mais importantes do cenário brasileiro como a cantora Mônica Salmaso, o flautista e saxofonista Teco Cardoso, o acordeonista Toninho Ferragutti, entre outros como André Mehmari e Celio Barros.

Premiado pelo Fundo de Investimentos Culturais de Campinas (FICC), Vinicius ainda assina a mixagem do álbum.
Além desse, lançou em 2013 o álbum “Mergulho”, do Quinteto coloQuial, que traz releituras de temas da cultura popular brasileira numa mistura com vários gêneros tratados com o rebuscamento técnico e artístico dados à música instrumental.

Com o mesmo grupo, foi premiado também pelo “Interações Estéticas” do MinC, que viabilizou a estadia de 2 meses do grupo na cidade de Olinda(PE) para a realização de trabalhos de pesquisa e registro junto ao ponto de cultura da Nação Xambá e fomentou a criação do show “Diálogos no terreno das tradições” junto ao grupo Bongar (PE), espetáculo já apresentado em Recife(PE) e Campinas (SP).

Paralelamente, é doutorando em música pela Universidade Federal do Paraná. Junto a seus grupos, reúne apresentações em importantes locais do Brasil e do exterior, como o festival “Mendoza en Bossa”, Argentina. Participa também de gravações de trilhas sonoras, como a do espetáculo “Tu sois de onde?” de Lineu Gabriel (Olinda/PE). Seu mais recente trabalho é o segundo CD do Âmago Trio, Maré (2017), em que o músico toca piano e outros instrumentos, além de assinar a mixagem e a masterização.

O pianista se apresenta também em concertos solo no qual homenageia alguns de seus ídolos musicais, como Egberto Gismonti, Milton Nascimento e Villa Lobos trazendo arranjos e composições dedicadas a cada um dos que ampliaram seus caminhos musicais.

MEO

01 Mismo (Estrela Leminski e Leo Minax) 03:32.867
02 Canção Necessária (Guinga e José Miguel Wisnik) 03:48.000
03 El Cosechero (Ramón Ayala) 04:03.134
04 Dança da Solidão (Paulinho da Viola) 05:04.880
05 Caramujo (Gustavo Infante) 04:45.134
06 Triste, Louca ou Má (Francisco El Hombre) 04:00.240
07 Clube da Esquina 2 (Milton Nascimento, Lô Borges e Márcio Borges) 06:48.854
08 Frevo (Egberto Gismonti) 04:26.587 Frevo
09 A Terceira Margem do Rio (Caetano Veloso e Milton Nascimento) 03:44.080
10 Olho D’água (Paulo Jobim e Ronaldo Bastos) 04:46.974
11 You Know I’m No Good (Amy Winehouse) 02:29.920
12 Negras Memórias (Diogo Nazareth) 05.05.120
13 Nunca (Lupicínio Rodrigues) 03.09.240

FICHA TECNICA

Bruna Lucchesi – Voz
Vinicius Bastos Gomes – Piano

• Gravação:

Estúdio da Universidade de Aveiro – Aveiro – Portugal
Técnicos – Bruna Lucchesi, Vinicius Bastos Gomes e António Manuel Veiga da Silva.
Mixagem – Vinicius Bastos Gomes
Masterização – Vinicius Bastos Gomes

• Desenhos:

Ernesto Bonato

• Design Gráfico:

Marina Faria e Ernesto Bonato

Agradecimentos:

Antes de mais nada, gostaríamos de expressar profunda gratidão a todos os apoiadores do financiamento coletivo que realizamos. É graças à catártica confluência de energias gerada que a materialização de MEO foi possível. Muito obrigado!

Agradecemos especialmente a Ernesto Bonato, Marina Faria, Tatiana Becker, Diana Lanças e Sissy Dinkle, pessoas cujos auxílios transcenderam à materialidade do disco.

Thank You!

First of all, we would like to express our deep gratitude to all of our crowdfunding supporters. MEO was only possible thanks to this beautiful merging of efforts into one big catharsis. Thank you!

We are especially grateful to Ernesto Bonato, Marina Faria, Tatiana Becker, Diana Lanças and Sissy Dinkle, people whose assistance has transcended the materiality of the album.

Anterior Ralfe Braga realiza exposição no Sesc do Setor Comercial Sul
Próximo A plataforma Watch Brasil anuncia parceria com HBO GO