A banda norte-americana de southern/country rock Blackberry Smoke virá ao país pela primeira vez em maio para apresentações em Curitiba e São Paulo de sua última turnê mundial “Find a light Tour”

Apontada hoje como um dos principais expoentes do gênero conhecido como southern rock, a banda norte-americana Blackberry Smoke – formada por Charlie Starr (vocalista, compositor e guitarra), Paul Jackson (guitarra e vocal), Brandon Still (teclados), Brit Turner (bateria) e Richard Turner (baixo, vocais), estreia no próximo ano em palcos brasileiros.

Uma realização da MCA Concerts, a primeira turnê da banda pelo país será vista em Curitiba, onde eles se apresentam no dia 09 de maio na Ópera de Arame, e em São Paulo, no dia 11 de maio no Tropical Butantã.

Ingressos para os shows já estão à venda em eventim.com.br.

O Blackberry Smoke vem ganhando a admiração do público e da crítica, com uma série de apresentações em grandes festivais e ao lado de nomes de peso como o Lynyrd Skynyrd, que convidou o quinteto de Atlanta para fazer a abertura de seis shows da turnê “Last of the Street Survivors Farewell Tour”.

Com um número crescente de seguidores em suas redes sociais e mais de 26 milhões de visualizações em seus clipes no You Tube, o Blackberry Smoke teve seu último álbum “Find a Light” incluído na seleção “Best Albums of 2018” da Classic Rock Magazine e na NPR’s “Favorite Albums of 2018”.

O som do Blackberry Smoke bebe direto de fontes clássicas como o Lynyrd Skynyrd e a Allman Brothers Band, com um toque original onde o principal ingrediente é a imensa capacidade de criar canções com excelentes linhas melódicas, resultando em um sourthern rock contemporâneo, que conquista cada vez mais fãs em todo o mundo.

Blackberry Smoke

Apresentando-se em uma média de 250 shows por ano em todo o mundo, o Blackberry Smoke, banda originária da cidade norte-americana de Atlanta, é hoje uma das mais ativas do cenário do rock internacional, possuindo uma base de fãs em número sempre crescente.

Seus shows destacam-se pela energia e pela vontade de improvisar durante toda a noite. Considerada uma autêntica banda de rock americana, eles se destacam pela abordagem diversificada de novas ideias, sons e territórios a cada novo trabalho: “não há como fazer o mesmo disco várias vezes, apesar de existirem alguns fãs que gostariam que isso acontecesse. Isso é muito estereotipado. Se o Led Zeppelin ou os Beatles fizessem isso, nós não gostaríamos deles”, declara Charlie Starr, cantor e principal compositor da banda.

Formada em 2001, a banda já excursionou com pesos pesados do rock como Lynyrd Skynyrd, ZZ Top, Eric Church e Zac Brown Band, participou de festivais como Farm Aid, Zac Brown Band Castaway, Outlaw Country Cruise e Peach Music Festival, além de ter emplacado sucessos como “Good One Comin´On”, “One Horse Town”, “Best Seat in the House” e “Rock and Roll Again”.

Para o próximo ano eles já estão confirmados como um dos headliners do Azkena Rock Festival, um dos mais importantes da Espanha, que acontece em junho na cidade de Vitoria-Gasteiz e no Download Festival, que acontece também em junho, no Donington Park em Leicestershire, Inglaterra.

A discografia da banda inclui seis álbuns de estúdio, um álbum ao vivo e quatro EPs. Em 2018 o Blackberry Smoke lançou um álbum de estúdio, “Find a Light”, em abril, e um EP, “The Southern Ground Sessions”, em outubro. “Find a Light” chegou ao Top 5 das paradas rock, country, folk e indie norte-americanas, repetindo o sucesso de discos anteriores – alguns deles como “Like An Arrow” (2016) e “Holding All The Roses” (2015) chegaram ao primeiro lugar nas paradas dos EUA e Inglaterra. Estar em várias paradas simultâneamente prova não só a universalidade, como a diversidade do grupo:

“Nós queremos que o som da banda continue crescendo e se ampliando. Nós não estamos tentando fazer um disco de hip-hop”, afirma Starr. “Mas há muitos elementos para o que as pessoas chamam de rock. Há gospel e country e swing e blues. Estamos apenas tentando escrever músicas que incluam todos esses diferentes tipos de elementos. Isso o mantém interessante para músicos e compositores. Nós não temos uma camisa de força, então podemos tentar aproveitar ao máximo essa forma de arte.”

A banda também participa frequentemente em eventos de caridade para veteranos, bem como na pesquisa de câncer infantil.

Anterior OVO do Cirque du Soleil, dirigido por Deborah Colker
Próximo CAIXA Cultural Brasília recebe mostra (VHILS): INCISÃO