Artista visual Bené Fonteles e curador Moacir dos Anjos participam de conversa com o público sobre a mostra “A queda do céu”, em exibição nas Galerias Principal e Piccola I e II

Como parte da programação da mostra “A queda do céu”, no dia 4 de junho, terça-feira, às 19h, a CAIXA Cultural Brasília recebe o público para uma conversa com o artista visual Bené Fonteles e o curador e idealizador da mostra, Moacir dos Anjos. O encontro acontece na Galeria Principal, com entrada franca e livre para todos os públicos, com tradução em LIBRAS. Com obras de 21 artistas brasileiros e internacionais, a mostra “A queda do céu” é uma realização de Bruna Neiva, da Tuîa Arte Produção, com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura do Distrito Federal. A CAIXA Cultural Brasília fica na A CAIXA Cultural Brasília fica no Setor Bancário Sul (SCS) Quadra 4 Lotes 3/4.

Com obras nos mais diversos suportes, linguagens e técnicas, a mostra apresenta trabalhos dos artistas e ativistas que trabalham com temas relacionados à causa indígena como Ailton Krenak, Anna Bella Geiger, Armando Queiroz, Bené Fonteles, Cildo Meireles, Claudia Andujar, Fabio Tremonte, Fred Jordão, Harun Farocki, Jaime Lauriano, Jimmie Durham, Leonilson, Lourival Cuquinha, Maria Thereza Alves, Matheus Rocha Pitta, Miguel Rio Brancon, Paulo Nazareth, Paz Errázuriz, Poraco, Regina José Galindo e Vincent Carelli. A mostra ocupará três salas expositivas da CAIXA Cultural Brasília, as Galerias Principal e Piccola I e II, e ficará em cartaz até 30 de junho, com visitação de terça-feira a domingo, das 9h às 21h

Bené Fonteles (1953, PA) – Vive e trabalha em Brasília. É artista plástico, jornalista, editor, escritor, poeta e compositor. Iniciou sua carreira em 1971, participando do 3º Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará. Seu trabalho artístico autoral se apropria da transformação de materiais simples e muitas vezes frágeis, naturais ou pouco trabalhado pelo o homem, como pedras, pedaços de troncos, cordas, tecidos rústicos, arames, entre outros. Participou em 5 edições da Bienal de São Paulo, com destaque para a 32ª edição, com o projeto Ágora: OcaTaperaTerreiro (curadoria Jochen Volz e Julia Rebouças). Integrou o Panorama de Arte Atual Brasileira no MAM de SP e mostras experimentais no Museu de Arte Contemporânea da USP. Dentre suas exposições individuais, destacam-se “Sudários” no Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO em Brasília, “Audiovisuais” e “Terra” realizadas na Pinacoteca do Estado de São Paulo; “Bené Fonteles” no Parque Lage no Rio de Janeiro; Galeria Jacqueline Martins (2018). Tem obra em diversas coleções privadas e acervos públicos e institucionais em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Fortaleza, Belém, Cuiabá, Paris e Nova York. Além do trabalho autoral como artista visual, organizou e publicou diversos livros e catálogos sobre artistas como Rubem Valentim, Mario Cravo Neto, Athos Bulcão etc. Faz curadorias e projetos de expografia em artes visuais. Foi diretor do Museu de Arte da UFMT e Museu de Arte de Brasília. Recebeu do Ministério da Cultura e da Presidência da República a Ordem do Mérito Cultural.

Moacir dos Anjos é pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife (PE). Foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM (2001- 2006) e pesquisador visitante no centro de pesquisa TrAIN – Transnational Art, Identity and Nation, University of the Arts London (2008-2009). Foi curador do pavilhão brasileiro na Bienal de Veneza (2011), curador da Bienal de São Paulo (2010), co-curador da Bienal do Mercosul, PoA (2007) e curador do Panorama da Arte Brasileira, MAM SP (2007). Foi curador da mostra coletiva Cães sem Plumas (2014), no MAMAM e de exposições retrospectivas dos trabalhos de Cao Guimarães (2013), no Itaú Cultural, e de Jac Leirner (2011), na Estação Pinacoteca, ambas em São Paulo. Publica regularmente em revistas acadêmicas e catálogos de exposição. É autor, entre outros, dos livros Local/Global. Arte em Trânsito (Zahar, 2005) e ArteBra Crítica. Moacir dos Anjos (Automátia, 2010), além de editor de Pertença, Caderno_SESC_Videobrasil 8, São Paulo (SESC/Videobrasil, 2012).

Sobre a realizadora

Tuîa Arte Produção é uma empresa dirigida por Bruna Neiva, produtora e pesquisadora em artes visuais. Atuando há mais de uma década, a produtora brasiliense tem em seu escopo projetos de produção cultural voltados para as artes visuais, pensamento crítico e arte-educação, pensando a arte como lugar de existência simbólica e concreta para os afetos, os dissensos e o pertencimento.

Incentivo à cultura

A CAIXA valoriza amplamente a cultura nacional como ferramenta de inclusão social e reforço do orgulho de ser brasileiro. Nos últimos cinco anos, os espaços culturais da CAIXA contaram com mais de R$ 385 milhões distribuídos em Brasília, Curitiba, Recife, Fortaleza, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro.

O investimento inclui iniciativas nos segmentos de artes plásticas, fotografia, espetáculos musicais, dança, teatro, exibição de filmes, lançamento de livros, palestras e oficinas por meio da seleção pública de projetos, realizada via Programa de Ocupação dos Espaços da CAIXA Cultural (www.programasculturaiscaixa.com.br). Esse programa é um dos principais instrumentos da política de patrocínios do banco. Com equipamentos e projeto educativo próprios, a CAIXA coloca em prática uma política de fomento à cultura, formação de plateia, apoio à diversidade cultural, profissionalização e democratização do acesso a bens culturais para aproximação com os mais diferentes públicos. Ao todo, são quase 40 anos de investimento contínuo em cultura com recursos próprios.

Serviço

Conversa com o curador Moacir dos Anjos e o artista visual Bené Fonteles
Sobre a mostra “A queda do Céu”
Local: CAIXA Cultural Brasília – Galeria XXXX (SBS Quadra 4 Lotes 3/4)
Quando: 4 de junho de 2019, terça-feira
Horário: às 19h
Entrada: franca
Classificação indicativa: livre para todos os públicos

A queda do Céu

Mostra coletiva
Visitação: até 30 de junho de 2019
Horário: de terça a domingo, das 9h às 21h
Entrada: franca
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal / Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura do Distrito Federal

Anterior Alameda presenteia namorados e o meio ambiente agradece
Próximo