Alfamor é o projeto musical de Paola Alfamor, artista multifacetada, que transita pelas artes plásticas, pela tatuagem, fotografia, audiovisual e, também, pela música. Vertente mais recente que ela abraçou, o universo musical tem permitido à Alfamor experimentar de uma maneira um pouco mais exposta e, de certa forma, mais profunda. E, em meio a pandemia da Covid-19, ela se viu obrigada a dar uma pausa no planejamento de lançamento de Onça (YBmusic), seu álbum de estreia, com produção de Saulo Duarte. Hoje, Alfamor anuncia a data de lançamento do disco para 04 de setembro e divulga o clipe de Babylon, segundo single de Onça, que foi lançado no final de Janeiro.

Com direção de Paola e Ana Lu, a ideia do vídeo segue a onda da música em ser um hino feminista. Com uma mensagem bem direta, que evoca a liberdade de ser (“Estou saindo e vou lá fora, desprender meu corpo pelas ruas e avenidas”), Alfamor convidou diversas amigas para participarem do que vem a ser um clipe feito por várias mãos. “Porque isso né, sem financiamento algum, tudo na raça e na parceria. Mandei mensagem pra cada uma falando um pouco sobre a música e essa gana de encontro. Mandei pra manas mulheres cis, mulheres trans, não-binárias, drags e pras bi (meus amigues homens gays), porque em Babylon tenho a participação especialíssima de Bruno Capinam, minha mana querida, exatamente para expressar que esse grito de não! vem do feminino, das pessoas femininas contra esses modos machistas abusivos”, diz Alfamor.

E foi assim, com a iniciativa de Paola, Ana Lu e da produtora Yasmin Chiden, que o clipe nasceu. Filmado em São Paulo e Salvador, a gangue de Alfamor transita pelas ruas dessas cidades em uma onda envolvente mas, ao mesmo tempo, despretensiosa: “Tínhamos um roteiro simples, porém, verdadeiro (risos). A orientação era apenas curtirmos aquela tarde juntas ao som de Babylon em looping. E foi uma delícia, tanto em São Paulo quanto em Salvador!!!! Uma alegria que transparece com certeza no vídeo. Só tenho o que agradecer”, relembra a artista.

Babylon

Em Babylon, Alfamor apresenta um reggae manifesto, repleto de mensagens políticas sutis que valorizam a liberdade feminina. Não poderia ser diferente, já que faz parte da trajetória da artista reafirmar a luta contra o patriarcado e as diferentes nuances, enriquecedoras ou difíceis, de ser mulher na sociedade.

A música reverencia o momento da artista multidisciplinar que, depois de ter composições cantadas por nomes como Tulipa Ruiz, Mãeana e Saulo Duarte, assume o papel de dar voz aos seus próprios escritos.

Neste segundo single, referências-inspirações jamaicanas se misturam com a brasilidade latente do trabalho de Alfamor, marcada por tambores e vocais ritmados. A letra, composição dela, relembra que não é não e que, além disso, nossa decisão sobre como viver deve ser respeitada acima de tudo.

Os sintetizadores de Zé Nigro e os teclados de João Leão trazem uma pegada pop à canção, que ainda conta com Thomas Harres na bateria, Mau no baixo, Saulo Duarte na guitarra e produção e Bruno Capinam nos vocais.

Onça

Onça (YBmusic) é um álbum de composições autorais que aborda, em suas letras, temas contemporâneos e reflexões sobre sobre ser mulher, autoconhecimento, política e espiritualidade. Nos arranjos, a ancestralidade do tambor se faz presente, assim como a potência de ritmos como o reggae, o rock e latinidades, tudo sob uma ótica pop contemporânea em que a artista consegue expressar as nuances do seu cantar, ora mais suave, ora mais visceral.

Com produção de Saulo Duarte, que também atua como músico, o disco conta com participações especiais de artistas como MãeAna, Bruno Capinam e a dupla argentina Perotá Chingó. Além, é claro, do grande Mateus Aleluia, que traz todo seu axé em Paô, primeiro single lançado em novembro de 2019, já disponível em todas as plataformas.

O trabalho também conta com os músicos Thomas Harres, Klaus Sena, Mau, João Leão, Arthur Braganti, Zé Nigro, Victória dos Santos, Sthe Araújo, Luisa Lembruger, Gabi Guedes e vocais de Camila Costa, além de uma parceria com o poeta Arruda.

FICHA TÉCNICA

Vídeo

Direção: Paola Alfamor e Ana Lu
Montagem: Paola Alfamor
Finalização: Ana Lu
Produção e Direção de arte: Yas Chiden
Produção e fotografia (SSA): Marina Novelli
Fotografia (SP): Anderson Capuano
Fotografia (SSA): Marina Baggio

Com as manas:

Alice Barreto
Ani Haze
Camila Costa
Camis Caldas
Drika Coelho
FEMMENATH
Isabela Ceribelli
Jade Alves
Lethycia Gabrielle
Luz Bárbara
Marina Peralta
May Irineu
Missy Blecape
Neila Kadhi
SELECTAH TUTII
Yas Chiden

Carrinho Brau de Missy Blecape

Música

Single “Babylon” (Paola Alfamor e Saulo Duarte) / Lançamento YB MUSIC em 31 de janeiro de 2020

Produzido por Saulo Duarte
Gravado, mixado e masterizado por Klaus Sena no Estúdio Índigo Azul
Gravações adicionais no Estúdio Navegantes por Zé Nigro
Paola Alfamor – Voz
Bruno Capinam – Vocais
Saulo Duarte – Guitarra
Mau – Baixo
Thomas Harres – Bateria
João Leão – Teclados
Zé Nigro – Sintetizadores

LINKS

Instagram
Facebook
Youtube
Site oficial

SOBRE ALFAMOR

Artista polimorfa que, através de suas experiências e sensibilidade ativa, dá vida a reflexões sobre a consciência natural, essa que busca o despertar de um instinto coletivo e interior expansivo. Seu trabalho se expressa por meio de diferentes técnicas e suportes: na música; em desenhos com linhas e pontos firmes; em pinturas em papéis, telas e muros; nas suas fotografias de olhar sensitivo; na pele com sua “tatuagem-transcendental” ponto-a-ponto; no vídeo, entre outras experimentações.

Suas criações envolvem inspirações místicas e/ou espirituais, sobre o tema do feminino, sobre a natureza e o cosmos, assim como questões sociais urgentes.

Em 2014, lançou seu livro “Portal”, uma produção manual que carrega muita energia sensível em uma narrativa que entrega a interpretação ao próprio leitor. Uma história sem palavras, mas repleta de simbologias e significados.

Já expôs em cidades como Porto Alegre, São Paulo, Olinda, Rio de Janeiro, Salvador e Barcelona. Criou a marca audiovisual Vision (@alfamor.vision). Foi uma das artistas criadoras do Estúdio Lâmina (estúdio de arte polimorfa no centro histórico de SP) e ocupou juntamente com outros artistas e pensadores o prédio Ouvidor 63, hoje reconhecido como Centro Cultural também em São Paulo. Atuou como compositora, percussionista e na produção visual da banda Xanaxou (banda de mulheres originária no RJ, 2016/17) e agora segue inventando seus sons só. Recentemente teve uma música gravada por Tulipa Ruiz e Adam Jodorowsky em parceria com Ava Rocha, Saulo Duarte, Gustavo Ruiz e a própria cantora Tulipa: “Terrorista del Amor”, no disco “Tu”, e outra gravada por Saulo Duarte em parceria com ele: “Rebuliço”, no disco “Avante Delírio”. Participa de feiras de arte e publicações ao redor do mundo assim como viaja e promove eventos com seu ritual de tatuagem por onde passa. Além disso, expande seu trabalho como terapeuta energética nas áreas de massagem (Thay e Janzu -aquática), Reiki e Cristaloterapia.

Recentemente lançou os primeiros singles do seu álbum Onça que está por vir! Paô com a participação de Mateus Aleluia e Babylon com Bruno Capinam.

Alfamor em diversas formas expressa seu imaginário alimentado entre suas viagens e vivências da sua arte = vida.

Anterior Oficinas virtuais gratuitas com mestres e mestras da cultura
Próximo Bloco Eduardo e Mônica ganha primeiro show Drive-in