Artes afro-brasileiras e produção de documentário estão entre as formações de Oficinas Culturais

Programa alcançou mais de 3.100 pessoas de todas as regiões do Brasil no 2º trimestre, já que as atividades vêm ocorrendo virtualmente. Inscrições estão abertas e toda programação é grátis.

O Programa Oficinas Culturais, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e gerenciado pela Poiesis, promove diversas formações culturais e artísticas de modo on-line desde as medidas de distanciamento social para combater a pandemia da Covid-19. Em julho, os destaques são para as oficinas de artes afro-brasileiras, de produção de documentário, de música folclórica sul-americana e sobre a teoria Queer.

Toda a programação é gratuita e no 2º trimestre (abril, maio e junho), o programa de formação dedicado ao interior de São Paulo alcançou participantes de todas as regiões do Brasil, já que as atividades virtuais possibilitam quebrar essa fronteira geográfica. Nesse período, mais de 3.100 pessoas passaram pelas formações, entre elas, de estados como Paraíba, Rondônia, Espírito Santo, Distrito Federal e Paraná. Nos três meses pontuados, cerca de 100 atividades foram realizadas nos formatos de oficinas, cursos, palestras e apresentações artísticas nas áreas do teatro, artes visuais, cinema, cultura tradicional, dança, gestão cultural, entre outros, por meio de diversas ferramentas virtuais.

A oficina Artes e estéticas afro-brasileiras ocorrerá nos dias 13, 15 e 17 de julho, das 14h às 16h, com coordenação de Luciara Ribeiro, mestre em História da Arte pela Universidade de Salamanca (Espanha), graduada em História da Arte pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), técnica em museologia pela ETEC e com trabalhos educativos em instituições como Fundação Bienal de São Paulo, Museu Afro Brasil, além de atualmente fazer parte da equipe do Instituto Tomie Ohtake. Inscrição dever ser feita por esse link: http://forms.gle/QikCBxhGjYY8RHAV6.

Essa atividade visa introduzir o estudo das artes e das estéticas afro-brasileiras a partir de leituras e análises de obras e autores emblemáticos de diferentes temporalidades, linguagens e contextos. O ponto de partida serão os debates em torno da nomenclatura, as interpretações e possibilidades de compreensão. Em seguida, serão analisadas produções de autoria afro-brasileira e as relações que criam com as histórias, culturas e narrativas brasileiras, passando por diferentes períodos, do colonial ao contemporâneo.

Para quem se interessa pelo campo audiovisual, a Oficina de produção de documentário será pelas segundas e quartas-feiras, dias 13, 15, 20, 22, 27 e 29 de julho. Os quatro primeiros encontros iniciam às 17h pelo canal de YouTube do programa (http://www.youtube.com/channel/UCx4ySlsHp1HfVZcwbvulpAQ/videos) e o último dia, no mesmo horário, acontecerá pelo Google Meet. A inscrição está aberta neste link: http://forms.gle/cjt1y2vBGu Q DCyfs7 .

O documentarista Mário de Almeida orientará sobre as etapas de construção da linguagem documental e formas de produção desse formato mesmo com baixo orçamento e poucos recursos técnicos. As questões de âmbito criativo, desde a preparação das filmagens até a edição do documentário, as próprias experiências e apontamento de bibliografia especializada serão exploradas nessa formação. Almeida produz filmes e projetos multimídia sobre a cultura caipira. Entre seus trabalhos, o “Viola Perpétua” (2018), primeiro longa-metragem.

Já a Oficina de apreciação musical: Música folclórica sul-americana será voltada ao panorama da música sul-americana de origem folclórica, alguns de seus desdobramentos e influências encontrados dentro da música popular e erudita. Às terças e quintas, em 14, 16, 21, 23 e 28 de julho, às 17h, Os gêneros abordados serão o candombe (Uruguai), zamba (Argentina), milonga (Argentina, Uruguai e Brasil) e bambuco (Colômbia), por meio da produção musical dos principais expoentes, da retrospectiva histórica e características fundamentais que os identificam. Inscrição aberta pelo link: http://forms.gle/Gf6SYKgnYfdGY8hD9 .

Os quatro primeiros encontros estarão disponíveis no YouTube de Oficinas Culturais e o último encontro pelo Google Meet. A coordenação da atividade ficará por conta de Marcos Matturro, músico, pesquisador, mestre e doutorando em Performance Musical na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Às quartas e quintas-feiras, dias 22, 23, 29 e 30 de julho, entre 14h e 16h, será vez da oficina Introdução à teoria Queer e os seus manifestos. Participantes conhecerão o pensamento Queer pelo conceito de manifesto enquanto gênero literário e manifestos produzidos pela própria teoria, a qual questiona os papéis de gênero preestabelecidos por construções sociais. Para participar, é necessário se inscrever pelo link http://forms.gle/dQ3zEuotBC2DvArp9 .

A coordenação da oficina a respeito da teoria Queer será feita por Rafael Leopoldo, professor de Filosofia na PUC Minas e autor do ensaio “Teoria Queer e micropolítica”, e Sara Wagner York, mulher trans, formada em Letras-Inglês pela UNESA, em Pedagogia pela UERJ e especialista em Gestão Pública na Cultura e atuação do agente cultural pela UFRRJ, com pesquisas em transmigrações, movimentos LGBTI+ e Educação.

Dúvidas e sugestões podem ser enviadas para interioronline@oficinasculturais.org.br. Oficinas Culturais realiza atividades com artistas, curadores e produtores de todo o Brasil que juntos com a coordenação dos profissionais da Poiesis, Organização Social de Cultura que gerencia o programa que tem promovido amplo acesso à cultura e contribuído para o aprimoramento de um grande contingente de profissionais do setor artístico e cultural. O objetivo é reunir agentes de diferentes camadas sociais, faixas etárias e com diferentes repertórios para promover um espaço simbólico de trocas de conhecimentos e experiências.

Todas as atividades promovidas pelo Programa são gratuitas e podem ser consultadas em http://www.poiesis.org.br/maiscultura e pelas redes sociais http://www.instagram.com/oficinasculturais e http://www.facebook.com/OficinasCulturais/.

Serviço

Atividades formativas – Oficinas Culturais

Oficina: Artes e estéticas afro-brasileiras
Coordenação: Luciara Ribeiro
13, 15 e 17/07 – segunda, quarta e sexta-feira – 14h às 16h
50 vagas | Grátis | Classificação indicativa: 16 anos
Via Google Meet
Inscrições: até 3/07 pelo link: http://forms.gle/QikCBxhGjYY8RHAV6

Oficina de produção de documentário
Coordenação: Mário de Almeida
13, 15, 20, 22, 27 e 29/07- segundas e quartas-feiras – às 17h
13 a 27/07 pelo YouTube de Oficinas Culturais: http://www.youtube.com/channel/UCx4ySlsHp1HfVZcwbvulpAQ/videos
29/7 via Google Meet
80 vagas | Grátis | Classificação indicativa: 16 anos
Inscrição até 10/7: http://forms.gle/cjt1y2vBGuQDCyfs7

Oficina de apreciação musical: Música folclórica sul-americana
Coordenação: Marcos Matturro
14, 16, 21, 23 e 28/07 – terças e quintas-feiras – às 17h
14, 16, 21 e 23/07 pelo YouTube de Oficinas Culturais: http://www.youtube.com/channel/UCx4ySlsHp1HfVZcwbvulpAQ/videos
28/07 via Google Meet
80 vagas | Grátis | Classificação indicativa: 16 anos
Inscrições até 10/07: http://form .gle/Gf6SYKgnYfdGY8hD9

Introdução à teoria Queer e os seus manifestos
Coordenação: Rafael Leopoldo e Sara Wagner York
22, 23, 29 e 30/07 – quartas e quintas-feiras – 14h às 16h
45 vagas | Grátis | Classificação indicativa: 18 anos
Via Google Meet
Inscrição até 10/07: http://forms.gl e /dQ3zEuotBC2DvArp9

SOBRE O PROGRAMA OFICINAS CULTURAIS

Como uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciado pela POIESIS – Organização Social de Cultura, o Programa Oficinas Culturais dialoga com o interior por meio de dois festivais (FLI – Festival Literário e MIA – Festival de Música Instrumental), Jornadas de Gestão Cultural, Ciclos de Estudos sobre Cultura Tradicional e Contemporaneidade, Programa de Qualificação em Artes que dá orientação artística a grupos, companhias ou coletivos de dança e teatro no interior, litoral e região metropolitana de São Paulo, e o Programa de Formação no Interior que oferece atividades formativas.

Além disso, na cidade de São Paulo, o programa realiza atividades de formação e difusão em três espaços: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Bom Retiro), Oficina Cultural Alfredo Volpi (Itaquera) e Oficina Cultural Maestro Juan Serrano (Taipas).

SOBRE A POIESIS

A Poiesis – Organização Social de Cultura é uma organização social que desenvolve e gere programas e projetos, além de pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais, voltados para a formação complementar de estudantes e do público em geral. A instituição trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

Anterior Netflix divulga trailer oficial da série Desejo Sombrio
Próximo Lenine revela detalhes de sua trajetória em podcast original