Mezanino da Torre de TV celebra 62 anos de Bras铆lia com exposi莽茫o “Arranjos de mem贸ria e esquecimento” de artistas do DF

Iniciativa do Banco BRB com patroc铆nio da cerveja Beck鈥檚, a mostra 鈥淎rranjos de mem贸ria e esquecimento鈥 traz produ莽玫es de Azul, Cecilia Mori, Liz Rodrigues e Maria Porto, homenageando os 62 anos da capital federal. A curadoria 茅 de Beth da Matta, da N贸s Galeria (SP).

O anivers谩rio de Bras铆lia vai muito al茅m do m锚s de abril na galeria de arte do Mezanino, gastrobar localizado no primeiro andar da Torre de TV. Em homenagem aos 62 anos da capital federal, o espa莽o traz uma mostra com quatro artistas do DF, cada uma com abordagens art铆sticas distintas: Azul, Cecilia Mori, Liz Rodrigues e Maria Porto. A mostra 鈥淎rranjos de mem贸ria esquecimento鈥 fica no espa莽o at茅 19 de junho e tem curadoria de Beth da Matta, da N贸s Galeria, de S茫o Paulo. A exibi莽茫o 茅 uma iniciativa do Banco BRB e da cerveja Beck鈥檚, juntamente com a BRB Seguros e a Financeira BRB.

鈥淎s produ莽玫es das artistas brasilienses aqui apresentadas s茫o pulsantes e claramente diversas entre si. Fazem uso de suportes distintos e singulares nas suas t茅cnicas e discursos. Entretanto, encontramos pontos, tens玫es e conex玫es entre elas鈥, comenta a curadora. 鈥淎zul e Cecilia Mori, por caminhos diferentes, trabalham a linha, o desenho e uma certa insist锚ncia e obsess茫o do gesto, mem贸ria e esquecimento鈥, exemplifica.

No trabalho de Cecilia Mori, 茅 poss铆vel notar refer锚ncias a Bras铆lia e a Portugal, pa铆s natal da av贸 da artista, com o uso da terra vermelha caracter铆stica do cerrado e a terra preta de Lisboa. Dispostas em caixas de acr铆lico, as amostras de terra traduzem a ideia de registros de mem贸rias e descoloniza莽茫o. A arte de Mori explora as possibilidades de materiais como pap茅is em diferentes formatos, produtos industriais e pigmentos.

Azul, por sua vez, aborda a anatomia humana em desenhos com pastel seco sobre papel, fazendo com que o corpo seja muito mais do que algo f铆sico, mas um sentimento. Suas linhas formam imagens ao mesmo tempo que as contornam (ou devoram), como se fossem uma vestimenta.

Fotografia e mem贸rias pessoais

O fio que liga as obras de Liz Domingues e Maria Porto, como aponta a curadora, 茅 o das mem贸rias pessoais e familiares. No caso de Domingues, reflexos da inf芒ncia em apartamentos na periferia do DF e sua rotina de casa para a escola, a mesma que se tornou seu espa莽o de trabalho na vida adulta. Na pandemia, a artista passou a contar essa influ锚ncia do passado no presente em fotografias de celular que mostram uma Bras铆lia borrada e diferente dos cart玫es postais, com ruas gastas, mastros sem bandeiras e uma crian莽a sozinha em uma pra莽a, vista por uma rede de prote莽茫o.

A s茅rie Cartografias, de Maria Porto, cria o que se pode chamar de 鈥減aisagens psicossociais鈥, pegando fotografias de fam铆lia e projetando-as no presente, com valores e sentidos novos. Nas imagens, cenas banais do cotidiano ganham novos sentidos. 鈥淓ssas cenas crescem em tamanho e significados, ganham manchas vibrantes e coloridas, um verniz quase pl谩stico, um brilho on铆rico que nos leva para o lugar da d煤vida, traduzindo em si nostalgia e acontecimento do presente鈥, descreve a curadora.

Servi莽o:

Mostra 鈥淎rranjos de mem贸ria e esquecimento鈥
Onde: Mezanino da Torre de TV (Eixo Monumental, Bras铆lia)
Quando: at茅 o dia 19 de junho
Hor谩rio de funcionamento da galeria: ter莽a a quarta-feira, 11h30 脿s 18h, quinta a s谩bado, 11h30 脿s 20h
Entrada: R锛 10,00 (taxa de manuten莽茫o)
Para mais informa莽玫es: @meza.nino