Longa A Rosa Azul de Novalis de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro acaba de ganhar o Prêmio Especial do Júri da APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte

Após passar pela seleção oficial dos festivais Berlinale, Cinéma du Réel, Indie Lisboa, Festival do Rio e conquistar diversos prêmios, incluindo o mais recente, Prêmio Especial do Júri da APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte, A Rosa Azul de Novalis, de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro, estreia nos cinemas e plataformas de TVOD (Now e VivoPlay) na próxima quinta-feira, dia 19 dezembro.

Com distribuição da Sessão Vitrine e produção da Carneiro Verde Filmes, o longa apresenta Marcelo (Marcelo Diorio), um homem que vive relembrando o passado, inclusive outras encarnações. Numa delas, diz ter sido o poeta alemão Novalis, que dedicou a vida em busca de uma mítica rosa azul.

A partir de Marcelo, seus dilemas e suas buscas, os diretores pretendem chamar atenção para o ânus, tornando esse buraco, considerado obscuro, o ponto de partida para a compreensão do personagem. “Colocar o cu em evidência nos parece essencial, uma vez que em 8 países o sexo anal pode levar à pena de morte e em mais de 80 países à prisão perpétua. Sem embargo, o cu é um centro produtor de excitação e prazer, é uma fábrica de reelaboração do corpo e de suas perspectivas, pois ele não está destinado a reprodução humana, colocando o sistema tradicional da representação sexo/gênero abaixo. O cu é democrático, todos podem acessá-lo, afinal, cada um tem o seu”, explicam os diretores.

A proposta dos realizadores foi fazer um filme com um personagem e não sobre um personagem, abordando todos os aspectos deste, não apenas o seu lado “bonito”. Vinagre e Carneiro comentam o processo criativo, ‘Nosso trabalho parte sempre de uma realidade, para recriá-la, transformá-la em algo que de alguma forma possa colocar o espectador em xeque sobre algumas questões geralmente consideradas tabu, e ao mesmo tempo muitas coisas são também colocadas em xeque para o personagem que atua como si mesmo, e para nós, que dirigimos. Há sempre uma jornada de autoconhecimento. Não à toa, todos os nossos filmes tematizam traumas, e são extremamente falados, como numa sessão de psicanálise. A Rosa Azul de Novalis não foge disso’.

Sinopse

Marcelo, um dândi de cerca de 40 anos, possui uma memória inigualável. Revive lembranças familiares em sua cabeça e tem recordações de suas vidas passadas. Em uma delas, foi Novalis, poeta alemão que perseguia uma rosa azul. E nessa vida atual, o que Marcelo persegue?

Fica técnica

Direção: Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro
Elenco: Marcelo Diorio, Majeca Angelucci, Marcos Hermanson Pomar, Thais de Almeida Prado, Estela Lapponi, Beatriz Pomar, Rafael Rudolf e Christian Sedemaka
Roteiro: Gustavo Vinagre e Marcelo Diorio
Produção: Rodrigo Carneiro e Gustavo Vinagre
Produção de set: Edson Costa
Assistente de Direção: Beatriz Pomar
Fotografia: Bruno Risas
Assistente de Fotografia: Wilssa Esser
Som Direto: Ruben Valdés
Microfonista: Rodney Blanco
Música: Dominico Scarlatti – Fandango
Direção de Arte: Gabriel Pessoto
Figurino: João Marcos de Almeida
Maquiagem: Alma Negrot
Edição: Rodrigo Carneiro
Efeitos: Paulo Bueno e João Marcos de Almeida
Correção de Cor: Natalia Nora Martínez
Preparação de elenco: Gilda Nomacce
Arte do cartaz: Gabriel Pessoto
Design do cartaz: João Marcos de Almeida
Tradução para o inglês: Adriana Davanzzo
Distribuição: Vitrine Filmes
Estreia: 19 de dezembro de 2019

Biografia dos diretores

Gustavo Vinagre graduou-se em Letras pela USP. É formado em roteiro pela Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de los Baños, Cuba. Dirigiu os filmes: Dykeland (2009), parte do longa Fucking Differente, Filme para Poeta Cego (2012), La Llamada (2014), Nova Dubai (2014), Os cuidados que se tem com o cuidado que os outros devem ter consigo mesmos (2016) e Filme Catástrofe (2017) – 28º Festival Internacional de Curtas de São Paulo.

Rodrigo Carneiro é licenciado em história pela Universidade Federal de Ouro Preto. Se formou em montagem no curso regular da Escuela Internacional de Cine y Televisión de Cuba – EICTV. Foi pesquisador convidado do departamento de cinema da Faculty of Fine Arts da Universidade de Concordia – Montreal. Escreveu e dirigiu os curtas Marília, Microsieverts e Copyleft e o longa “A rosa azul de Novalis”, co-dirigido com Gustavo Vinagre. Editou diversos curtas, médias e longas metragens. Rodrigo é professor de montagem e trabalha como produtor executivo no Prodav das Tvs Públicas Ancine/FSA/EBC.

SOBRE A SESSÃO VITRINE

Projeto de distribuição coletiva que lança um filme por mês, com sessões diárias e ingressos de valor reduzido, promovendo debates e maior acessibilidade aos filmes. Realizado pela Vitrine Filmes, destaca-se por sua preocupação em fomentar a formação de público e por uma curadoria que zela pelo fortalecimento de um audiovisual descentralizado. São lançados pelo projeto, simultaneamente nos cinemas e nas plataformas digitais, filmes realizados em diferentes estados, de diversos gêneros narrativos, que apresentam temáticas plurais e afirmativas. Dessa maneira, vem se consolidando como um projeto que atua na construção de um cinema diversificado.

SOBRE A VITRINE FILMES

Em nove anos, a Vitrine Filmes distribuiu mais de 150 filmes. Entre seus maiores sucessos estão “Aquarius”, “O Som ao Redor” de Kleber Mendonça Filho e “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro, e “O Filmes da Minha Vida”, de Selton Mello.

Entre os documentários, a distribuidora lançou “Divinas Divas”, dirigido por Leandra Leal, o documentário mais visto de 2017 e “O Processo”, de Maria Augusta Ramos, que entrou para a lista dos 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional.

Em 2019, foram lançados no primeiro semestre “As Filhas do Fogo”, de Albertina Carri, “Divino Amor”, dirigido por Gabriel Mascaro e mais recentemente “Bacurau”, novo filme do diretor Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, longa que já alcançou mais de 700.000 espectadores e “A Vida Invisível”, Karim Aïnouz, longa selecionado para representar o Brasil no Oscar de 2020. Além disso, a Vitrine Filmes segue pelo quinto ano consecutivo com o projeto de distribuição coletiva Sessão Vitrine, que lança um filme por mês, em diversas cidades, com sessões diárias e ingressos de valor reduzido, promovendo debates e maior acessibilidade aos filmes.

Anterior Evento de arte latino-americano acontece no Uruguai
Próximo Festival Assim Vivemos anuncia o vencedor do “Júri Popular”