10 cordas, uma voz


Afonso Gadelha e Pedro Vasconcellos apresentam o show “10 cordas, uma voz”. Duo une ritmos do cancioneiro popular executados por Gadelha com a linguagem inovadora do cavaquinho de Vasconcellos. Sexta, 28 de abril, às 19h30, no C’est la Vie Bistrô

Fechando a programação de abril do Sexta Sonora, o cantor e violonista Afonso Gadelha toca, pela primeira vez na formação de duo, ao lado do cavaquinista Pedro Vasconcellos. A noite promete ser um encontro de gerações. No show, intitulado “10 cordas, uma voz”, o duo traz apresenta desde músicas autorais, a composições do cancioneiro popular. As diferentes experiências dos músicos resultam da expertize e curiosidade de Afonso pelos ritmos característicos, e mais populares do Brasil, e da linguagem inovadora impressa no cavaquinho de Pedro. O efeito é um show que traz arranjos inusitados em músicas já conhecidas pelo grande público. “Estamos nos preparando para surpreender o público com misturas diferenciadas, como, por exemplo, cavaquinho, zabumba e voz”, adianta o violonista Afonso Gadelha. A apresentação é na sexta-feira, 28 de abril, às 19h30, no C’est la Vie Bistro, na 408 Sul.

Entre as músicas autorais de Gadelha que serão executadas no show, destacam-se “Tudo sobre o amor”, “Um bom lugar pra existir”, “Sem engano” e “Pra nunca mais esquecer”. Composições dos discos “Pra Nunca Mais Esquecer”, lançado em 2011, e “Minha Bandeira”, gravado em 2013 e lançado em 2014 em diversos estados brasileiros, além de Brasília.

Afonso Gadelha e Pedro Vasconcellos se conhecerem por meio do cantor Túlio Borges, que os convidou para fazer parte de sua banda. Com mais de 30 anos de carreira, Afonso tem inúmeras composições gravadas por reconhecidos nomes da música popular brasileira, como Amelinha, Quarteto em Cy, Terezinha de Jesus, Sivuca, Maria Creuza e Elba Ramalho. Já Pedro, tem mais de 10 anos de carreira, é craque no cavaquinho, destaque nas rodas de choro e projetos musicais da cidade e, desde 2010, vem se destacando como talentoso compositor.

Na sua trajetória, Afonso integrou, como percussionista, o grupo de Sivuca e ampliou o seu leque de parceiros musicais, entre os quais ressaltam-se o próprio Sivuca, Glorinha Gadelha, Climério Ferreira, Túlio Borges, Aloísio Brandão, Paulinho Tapajós, Cacaso e Pepeu Gomes. Dividiu o palco com Elba Ramalho, Luiz Gonzaga, Rosinha de Valença, Chico César e Almir Satter. Já Pedro Vasconcellos pertencente à segunda geração dos Vasconcellos, a mais musical das famílias brasilienses.

Sobre os músicos

Nascido no alto sertão paraibano, em Sousa, a Cidade Sorriso e do Vale dos Dinossauros, Afonso Gadelha já aos 4 anos se apresentava nos eventos culturais da cidade, tocando triângulo na banda familiar formada pelos quatro irmãos menores. Filho caçula de uma numerosa família de 13 irmãos, passou a morar e estudar em João Pessoa, onde ficou até os 16 anos, quando seguiu para o Rio de Janeiro. No Rio, além de formar-se técnico em Química, pôde dedicar-se mais ao aprendizado da música, tanto pela convivência com a irmã Glorinha Gadelha, o cunhado Sivuca e diversos outros músicos e compositores, como pelo estudo de teoria musical com o maestro Nelson de Macedo, na Escola Brasileira de Música. Afonso Gadelha, que de João Pessoa trazia composições em parceria com os irmãos a ele próximos em idade (os mesmos da banda da infância) e a experiência em se apresentar de público. Foi também nessa época que mostrou o seu lado combativo em defesa da classe e se tornou um dos sócios fundadores da AMAR (Associação de Músicos, Arranjadores e Regentes). Muitas de suas composições foram gravadas por reconhecidos nomes da música popular brasileira, como Pepeu Gomes, Amelinha, Quarteto em Cy, Terezinha de Jesus Sivuca, Maria Creuza, , Glorinha Gadelha, Elba Ramalho e Marinez e Sua Gente e outros.. Teve também a sua composição “Valseando” como tema de abertura da mini série Serra do Luar, produzida pela TV Apoio de Brasília e filmada em Pirenópolis, Goiás. Dividiu o palco com artistas famosos como Sivuca, Elba Ramalho, Luiz Gonzaga, Rosinha de Valença, Chico César e Almir Satter -, Afonso Gadelha também enveredou para a gravação de CD independentes: Tambores (1997), Multigana Cidade Brasil (1999), Escuta isso em 2001. Em Brasília, levantou ao lado de Wagner Luiz o primeiro lugar do Prêmio Tributo à Brasília, promovido pelo SESC-2004, sendo duplamente laureados com os troféus de melhor composição e melhor letra. Em 2011, lançou o CD “PRA NUNCA MAIS ESQUECER”, se apresentando em vários estados do Brasil. Em 2013, gravou disco “MINHA BANDEIRA” de músicas inéditas marcados por ritmos variados, com parceiros como Túlio Borges, Climério Ferreira, Daniel Sobreira (produtor e arranjador). O Lançamento desse disco foi realizado nas cidades de Juazeiro do Norte, Fortaleza e João Pessoa, além de Brasília.

Pedro Vasconcellos é cavaquinista, compositor e arranjador. Natural de Brasília, desenvolve uma linguagem inovadora para o cavaquinho através da criação de um repertório específico para o instrumento e da maneira elegante e expressiva de tocá-lo. Além de ter acompanhado e gravado com diversos artistas brasileiros, o cavaquinista juntamente com Eduardo Belo (baixo acústico) e Rafael dos Anjos (violão) formam o trio Aquario, com o qual lançou em 2010 o álbum intitulado “Primeiro”. Ainda em 2011, lançou “Transparente” com Ricardo Nakamura ao piano e “A Comédia do Coração” com o baixista e cantor Ebinho Cardoso. Em todos estes álbuns, Pedro atua como solista de cavaquinho e assina a maioria das composições. Atualmente, trabalha também em grupos de samba, choro e música instrumental brasileira, e como diretor musical e arranjador.

Serviço

Show “10 cordas, uma voz” – Afonso Gadelha e Pedro Vasconcellos
Sexta-feira, 28 de abril
Horário: 19h30
Endereço: C’est la Vie – CLS 408 bloco A loja 05
Reservas: 3244-6353
Couvert R$ 10
C.I.: 18 anos

Anterior Mexeu com uma, mexeu com todas
Próximo Mágica e palhaçaria