Entre maio e agosto no Teatro dos Bancários o festival Palco Cerrado recebe shows, espetáculos de teatro, dança e circo de grupos do Distrito Federal

A partir do dia 17 de maio, o Teatro dos Bancários recebe o Palco Cerrado – Festival de Múltiplas Linguagens 2018 com uma extensa programação com espetáculos de grupos do Distrito Federal. Voltado para as linguagens da música, do teatro, da dança e do circo, o projeto tem como objetivo apresentar a diversidade das expressões culturais do DF, além de fomentar a produção, a difusão e a circulação do conhecimento e bens da cidade.

Em maio, a programação conta com as participações da banda Joe Silhueta, do Projeto PÉS; do Grupo Caras – Projeto Multifácico e da Caravana da Criança. A banda Deus Preto; Transições Cia. De Dança e Arte; Trupe Por Um Fio e Grupo Casulo são as atrações do mês de junho. Em julho, é a vez do público conferir os espetáculos da banda Transquarto; do grupo Mulher do Mundo; da Companhia Adubo e da Pararatibum Criações Artísticas.

O festival encerra a programação em agosto com o show “Cantadas”, de Tatá e Danú; “Asas da Dança” com o Balé da Cidade de Brasília; “Levante-se” com a Cia. Levante-se e “Segura, Mamãe” com a Cia. Da Sorte. No domingo, 19 de agosto, o show de encerramento é com a banda Talo de Mamona, que apresenta o show do primeiro EP, “Marcha das Vadias’.

“Depois de quase um ano de trabalho, voltado para elaboração do projeto, chegamos a um modelo que brilha e salta aos olhos de todos. O Palco Cerrado contempla os interesses de todos os envolvidos no festival e beneficia o cenário artístico do DF, valorizando a produção local, com uma programação de qualidade e com ingressos a valores populares”, comenta Thiago Enoque, gestor da Avuá Produções.

Silvia Viana, produtora da Avuá Produções, também comemora a estreia do festival, cuja programação segue até agosto.

“É difícil mostrar o que eu sinto tendo a oportunidade de concretizar esse projeto que é parte de mim. Só agradeço por ter esse caminho trilhado junto de um grande parceiro e amigo como é o Thiago, que desde o início se apaixonou pela ideia. Que o Palco Cerrado venha trazer mais brilho e cor aos artistas locais e que a sociedade aprecie e valorize a riqueza cultural de nossa cidade. É apenas o começo!”, avisa Silvia.

A programação do Palco Cerrado – Festival de Múltiplas Linguagens 2018 acontece de quinta a sábado, às 21h; e domingo, às 16h. As sessões das segundas-feiras, às 10h e às 15h, são gratuitas e exclusivas para escolas públicas e instituições carentes.

O Palco Cerrado é apresentado pelo do Sindicato dos Bancários, conta com a realização da Avuá Produções e tem apoio do Teatro dos Bancários, da TV Bancários, do SINPRO/DF e do Instituto Alvorada Brasil.

Palco Cerrado – Festival de Múltiplas Linguagens 2018

De 17 a 21 de maio
De 14 a 18 de junho
De 19 a 22 de julho
De 16 a 20 de agosto

Local: Teatro dos Bancários (314/315 Sul; 3262-9090)

Quinta, sexta e sábado, às 21h; e domingo, às 16h.
* Domingo, 17 de julho, excepcionalmente, às 11h.
**Domingo, 19 de agosto, show de encerramento às 20h.

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).
À venda na bilheteria no teatro.

MAIO
Dia 17 de maio, quinta
Às 21h, show “Nas Trilhas do Sol” com a banda Joe Silhueta. Classificação indicativa livre.

Dia 18 de maio, sexta
Às 21h, espetáculo de dança “Similitudo” com o Projeto Pés. Classificação indicativa livre.

Dia 19 de maio, sábado
Às 21h, espetáculo teatral “Afinidades” com o grupo Caras – Teatro Multifácico. Classificação indicativa livre.

Dia 20 de maio, domingo
Às 16h, espetáculo infantil com o grupo Caravana da Criança. Classificação indicativa livre.

JUNHO
Dia 14 de junho, quinta
Às 21h, show “Que o amor se espalhe” com a banda Deus Preto. Classificação indicativa livre.

Dia 15 de junho, sexta
Às 21h, espetáculo de dança, “Na pegada popular, no coração do Brasil” com Transições Cia. de Dança e Arte. Classificação indicativa livre.

Dia 16 de junho, sábado
Às 21h, espetáculo teatral “Sobre silêncios” com a Trupe Por um Fio. Não recomendado para menores de 16 anos.

Dia 17 de junho, domingo
Às 11h, espetáculo infantil “Sementes” com o grupo Casulo. Recomendado para maiores de 4 anos.

JULHO
Dia 19 de julho, quinta
Às 21h, show com a banda Transquarto. Classificação indicativa livre.

Dia 20 de julho, sexta
Às 21h, espetáculo circense “Mulher do Mundo” com o grupo Mulher do Mundo. Não recomendado para menores de 10 anos.

Dia 21 de julho, sábado
Às 21h, espetáculo teatral “ADUBO ou a sutil arte de escoar pelo ralo” com o grupo Adubo. Não recomendado para menores de 16 anos.

Dia 22 de julho, domingo
Às 16h, espetáculo infantil “Poetinha camarada: As aventuras do menino Vinicius” com o grupo Pararatibum Criações Artísticas. Recomendado para maiores de 3 anos.

AGOSTO
Dia 16 de agosto, quinta
Às 21h, show “Cantadas” com Tatá e Danú. Classificação indicativa livre.

Dia 17 de agosto, sexta
Às 21h, espetáculo de dança “Asas da dança” como Balé da Cidade de Brasília. Classificação indicativa livre.

Dia 18 de agosto, sábado
Às 21h, espetáculo teatral “Levante-se” com a Cia. Levante-se. Não recomendado para menores de 16 anos.

Dia 19 de agosto, domingo
Às 16h, espetáculo infantil “Segura, mamãe” com a Cia. da Sorte. Classificação indicativa livre.
Às 20h, show de encerramento com o grupo Talo de Mamona. Não recomendado para menores de 16 anos.

Sobre os espetáculos:

MAIO

“Nas Trilhas do Sol” (Banda Joe Silhueta)
O show da banda Joe Silhueta tem o repertório baseado nos lançamentos fonográficos, que sintetizam de maneira autêntica e atual, referências musicais nacionais e estrangeiras. Presença marcante em festivais do Distrito Federal e demais estados brasileiros, Joe Silhueta figura entre os grandes destaques da música contemporânea brasileira.

“Similitudo” (Projeto PÉS)
O terceiro espetáculo do grupo Projeto PÉS é considerado pelo grupo como o trabalho mais maduro, unindo de maneira plástica e poética corpos diferenciados, com e sem deficiências. Em cena, pessoas com paralisia cerebral, síndromes diversas, deficiências de formação óssea e transtornos de desenvolvimento, dançando com e entre corpos outros, ditos, sem deficiências, buscando provocar questionamentos.

“Afinidades” (Grupo Caras – Teatro Multifácico)
Retrata o comportamento de casais comuns, ressaltando os conflitos cotidianos, típicos da modernidade e das novas dinâmicas de relacionamento. De maneira bem-humorada, o grupo Caras – Teatro Multifácico cria uma identificação com a plateia que se angustia e felicita de acordo com as cenas e que reconhece os dramas dos próprios relacionamentos ao longo do espetáculo.

“Caravana da Criança” (Caravana da Criança)
Espetáculo multiartístico, voltado para crianças entre 6 e 14 anos, unindo os músicos do Trio Baru e da Camerata Caipira. A música é o fio condutor de atos circenses e de contação de histórias. A apresentação é pautada nas canções e nas histórias tradicionais brasileiras, com participação constante da plateia.

JUNHO

“Que o amor se espalhe” (Banda Deus Preto)
Formada por Dinei Oliveira (vocal), Carlos Henrique Batista (guitarra), Biral Ferreira (teclado), Betão Nascimento (baixo) e Jhonatan Carioca (bateria), a banda Deus Preto está na estrada há quatro anos. Em suas apresentações, o grupo mostra um repertório com músicas autorais e de parceiros, cujas letras falam de preconceito, intolerância, fundamentalismo religioso e política, sempre de forma positiva.

“Na pegada popular, no coração do Brasil” (Transições Cia de Dança e Arte)
O espetáculo da Transições Cia. de Dança se inspira no sertão, no cerrado e nas trilhas do manguezal do Recife, entre outros espaços em que a arte popular pulsa.

“Sobre silêncios” (Trupe por Um Fio)
O espetáculo da Trupe por Um Fio mistura circo, teatro de formas animadas, dança e música. A peça também propõe uma reflexão sobre as violências cotidianas que nem sempre são trazidas à tona; anseios e vazios contidos nas memórias; e histórias dos personagens, vagando entre as linhas do irracional e da lógica.

“Sementes” (Casulo)
A peça do grupo Casulo nasceu a partir das lembranças de uma brincadeira dos adultos com as crianças que dizia: “se você engolir uma semente de fruta nascerá uma planta na sua barriga”. A montagem mostra a história de uma mulher que se encontra sozinha. Ela carrega em sua bagagem a simplicidade, o sonho e alguns poucos objetos encantatórios. De repente, coisas mágicas passam a acontecer.

JULHO

“Transquarto” (Banda Transquarto)
Projeto de música instrumental formado em Brasília em 2015, a Transquarto dialoga experimentalmente com os diferentes ambientes do pop e do underground, recriando paisagens sonoras ancoradas na experiência transcendental. O grupo é formado por Davi Mascarenhas na guitarra; Pepy Araújo na bateria; Gata Marques no baixo e Tarso Jones nos teclados.

“Mulher do Mundo” (Cia. Mulher do Mundo)
No palco, sete mulheres contam seus enfrentamentos, conflitos, medos, descobertas, libertações… Parte de um processo íntimo que toda mulher vive ao longo da sua existência. A partir da apresentação de números circenses, o espetáculo “Mulher do Mundo” traz abordagens, ora leves, ora densas à retina do espectador fazendo questionar secretamente seus conceitos sobre sua posição, postura e função. Permeiam os espaços entre cânticos, poemas e poéticas, a história que é de cada uma e de todas ao mesmo tempo. Em cena e fora de cena o reconhecimento e nítido.

“ADUBO ou a sutil arte de escoar pelo ralo” (Grupo Adubo)
O espetáculo dirigido por Hugo Rodas é sobre a morte e o morrer. Tendo como fio condutor o atropelamento de um cãozinho filhote, a peça divaga por diferentes histórias, ora cômicas, ora dramáticas, que refletem sobre esse momento que todos nós, inevitavelmente, experimentaremos.

“Poetinha camarada: As aventuras do menino Vinicius” (Pararatibum Criações Artísticas)
Apresenta parte da obra do poeta brasileiro Vinicius de Moraes, introduzindo ao público infantil um dos maiores expoentes da música popular brasileira. Na história, o menino Vinicius encontra um leão vaidoso das redes sociais, um pinguim cansado do seu posto em cima da geladeira e uma pulga sonhadora, entre outras curiosas figuras que surgem após a tempestade da Arca de Noé.

AGOSTO

“Cantadas” (Tatá e Danú)
Neste show autoral, Tatá e Danú interpretam músicas do disco “O Leve”, como “Lavadeira”, “Rosalina e Margarida”, “Vida Dividida” e a faixa título. A apresentação também conta com as canções do trabalho mais recente, “Cantadas”.

“Asas da dança” (Balé da Cidade de Brasília)
Apresentação de vários trechos de balés consagrados e coreografias contemporâneas premiadas, sendo encenadas por jovens talentos do Distrito Federal.

“Levante-se” (Cia. Levante-se)
Com dramaturgia contemporânea e fragmentada, e inspirado na obra da escritora Alice Birch o grupo traz um experimento teatral que contesta o lugar da mulher na sociedade do século 21. Nele a figura feminina surpreende com um comportamento inusitado diante dos relacionamentos pessoais e sociais, transgredindo o padrão no trabalho, nas relações familiares e nas questões estéticas. Essa peça não deve ser bem-comportada.

“Segura, mamãe” (Cia. da Sorte)
Dona Lelê virou a dona do circo e tenta colocar o Palhaço Trevolino para trabalhar. Agora, é uma trapalhada atrás da outra! O espetáculo interativo mescla a palhaçaria às técnicas de equilibrismo, malabarismo e mágica, sempre com a participação da plateia.

“Marcha das Vadias” (Banda Talo de Mamona)
Banda brasiliense faz show do primeiro EP da carreira, “Marcha das Vadias”.
O show integra linguagens de performance, instalação e música. Assinado com o título A Marcha das Vadias, o trabalho expõe diretamente a realidade das questões sociais de igualdade de gênero e o discurso se estende à classe trabalhadora e às relações de consumo.

Anterior Lançamento do EP Peito Aberto de Moara na Criolina
Próximo JK recebe exposição comemorativa dos 209 anos da PMDF