Documentário “Fogo na Floresta” é exibido em Cannes


Primeiro documentário em realidade virtual realizado em tribo indígena é exibido em Cannes. Produção do ISA (Instituto Socioambiental) e da Academia de Filmes, “Fogo na Floresta” tem direção de Tadeu Jungle

“Fogo na Floresta”, filme em realidade virtual lançado pelo ISA (Instituto Socioambiental) e produzido pela Academia de Filmes, foi selecionado para a mostra Next VR do Festival de Cannes, na França.

O filme, narrado em português pela atriz Fernanda Torres, compõe-se de cenas em 360 graus que levam o espectador para dentro do cotidiano da comunidade indígena e apresenta uma ameaça que paira sobre os Waurá e sobre todos os povos da Amazônia: o fogo fora de controle.

Manejado há milênios pelos povos indígenas na abertura de suas roças de subsistência, o fogo agora avança sobre as matas de maneira descontrolada, em razão do desmatamento do entorno do Xingu e das mudanças climáticas.

“Chegamos na aldeia focados em mostrar a rotina dos índios, mas de cara flagramos um incêndio a poucos metros de uma maloca. O filme ganhou uma urgência imediata”, diz Tadeu Jungle. “O Parque Indígena do Xingu, casa dos Waurá e de outros 15 povos, é hoje uma ilha de floresta cercada por fazendas de soja por todos os lados”, explica André Villas Bôas, secretário executivo do ISA. “O descontrole do fogo é o resultado direto dos desmatamentos no entorno do Xingu que alteram os padrões de chuva, mudando o clima da região, causando o ressecamento da floresta, tornando-a mais inflamável”, complementa.

A pesca, o futebol, a arte da cerâmica e a produção da farinha de mandioca são algumas das atividades rotineiras da comunidade que o filme exibe de maneira imersiva. O curta ainda mostra uma sala de aula, a “casa dos homens” e o interior de uma maloca, compondo um cenário atual no qual cultura tradicional e hábitos modernos coexistem no cotidiano dos índios. “Os Waurá, como muitos povos do Xingu, transitam entre costumes e tecnologias da nossa sociedade sem deixar de valorizar os aspectos mais importantes da sua tradição cultural”, diz Paulo Junqueira, coordenador do ISA que trabalha diretamente no Xingu.

O povo Waurá (ou Wauja) tem uma população de 560 pessoas que vive na aldeia Piyulaga, no Parque Indígena do Xingu. Famosos por sua cerâmica, cestaria e arte plumária, eles estão mobilizados para combater o fogo descontrolado que ameaça suas florestas e sua vida. O ISA, por meio de uma série de iniciativas – como o apoio e formação para o manejo e controle do fogo, formação de brigadas indígenas anti-incêndio, monitoramento de focos de calor via satélite e restauração florestal –, está ao lado dos xinguanos para encarar esse desafio.

Sobre Tadeu Jungle

É um artista multimídia brasileiro com atuação nas áreas de fotografia, vídeo, instalações, poesia visual e performance, com uma carreira estabelecida como roteirista e diretor de publicidade, cinema e TV. Entre outros trabalhos, dirigiu “Rio de Lama” – primeiro documentário em realidade virtual do país, sobre a catástrofe de Mariana, em Minas Gerais –, exibido no Sunny Side of the Doc (França; 2016).

Sobre a Academia de Filmes

Com 22 anos de experiência no mercado audiovisual, a Academia de Filmes oferece criatividade e inovação em produção de conteúdo para todas as telas. Somos pioneiros em produção de realidade virtual na América Latina. A empresa cria e produz também filmes e documentários para cinema, séries de TV e publicidade, assim como conteúdo para marcas e para internet.

Anterior Anitta é confirmada no ‘MTV MIAW 2018’ Brasil e México
Próximo Oficinas e espetáculos teatrais em Unidade de Internação