Para a alegria da nação, o Pinella, queridinho do Baixo Asa Norte, abriu as portas em março. Após 23 dias em reforma, o bar volta mais lindo do que nunca! A casa está toda dourada, – do lustre à fachada –, tem um novo balcão para facilitar o atendimento e, ainda, seis torneiras de chope. O projeto leva a assinatura e supervisão da arquiteta Fernanda Graneiro, do Studio Habita.

O cardápio, todo composto por nomes femininos, é uma homenagem às mulheres que marcaram as vidas das proprietárias Flávia Attuch e Marta Liuzzi, seja por vínculo familiar ou por alguma música do Chico, mas certamente, mulheres fortes, assim como as duas gestoras da casa.

E, o menu, está cheio de novidades! Para começar, Bruna, um suculento sanduíche de almôndegas, fonduta de queijo e molho de tomate rústico, no pão francês (R$ 25) e o vegano Bela, porção de falafel (bolinho de grão de bico) servido com um dos molhos da casa, a sugestão vai para o tahine ou a coalhada (R$ 25).

Para alegrar a galera vegetariana, Andreia, uma cremosa burrata com molho pesto, rúcula e pão artesanal (R$ 46); Mariana, arancini (bolinho de risoto com parmesão – R$ 28); Margarida, sanduíche de muçarela de búfala, tomate confitado, manjericão e molho de tomate rústico, no pão artesanal de cebola, vindo diretamente de Pirenópolis (R$ 25) e a pedidos, volta o Graça, caldo de abóbora com gorgonzola (R$ 15).

Alguns itens sofreram alterações com a reforma, como o Carina, iscas de peixe empandadas, virou fish and chips, com o acréscimo da batata frita (R$ 36). O Lory que vinha um espetinho de filé mignon e outro de frango, agora está separado, apenas com o filé, molho chimichurri e farofa de bacon (R$ 18). A opção com a ave foi nomeada Marcela e tem os mesmos acompanhamentos (R$ 12). O Marta era servido com picanha, agora ficou mais robusto e vem com entrecôte na chapa e papas bravas (batatas rústicas cortadas em canoa, polvilhadas com tempero Pinella – R$ 48).

Para beber, as novidades ficam por conta dos drinks, cuidadosamente preparados pelo barman Marcelo Apolinário e das seis torneiras de chope, onde as bebidas são mudadas com frequência, sempre dando prioridade aos produtores locais. Além de diversos rótulos de cervejas artesanais carinhosamente escolhidos para agradar os mais exigentes paladares.

Para quem gosta de gin, três novas e deliciosas receitas: Gingito, com gengibre, folhas de hortelã, água tônica e suco de limão (R$ 24); Ginpepi, pepino, pimenta rosa, água tônica e suco de limão (R$ 26) e o Ginruc, uvas verdes, rúcula, água tônica e suco de limão (R$ 27).

Os fãs de Mojito podem correr para brindar. Apolinário criou duas versões da bebida: de frutas vermelhas, o Pantera cor de rosa (R$ 26) e de abacaxi, o Dona Moto (R$ 19). Para os que gostam de whisky, a dica vai para o Honey, feito com Jack Honey, sucos de laranja e limão e água com gás (R$ 24).

O barman também pensou nos amigos da vez e criou drinques sem álcool, como o Refresco Pinella, com melancia, gengibre, abacaxi, limão e suco de cranberry (R$14) e o Virgen Mary, suco de tomate temperado (R$12).

A porção da torta Bárbara (R$ 14,00) já é um clássico na cidade, um deleite feito com quatro chocolates. Mas, o que muitos não sabem é que ela também pode ser vendida inteira (R$ 160,00), desde que a encomenda seja feita com no mínimo dois dias de antecedência. A torta serve de 10 a 15 pessoas, vai depender das formiguinhas.

O Pinella tem capacidade para receber 120 pessoas e a proposta é fazer com que os clientes se sintam realmente em casa. Ao longo dos últimos anos, se formaram bons amigos, namoros e até casamentos. A galera é sempre bem animada, é como se estivesse na casa de um amigo. Um lugar onde o garçom conhece os clientes pelo nome e pela marca da cerveja que preferem beber.

Com público cativo, a programação musical anima as noites do Pinella de segunda a sábado. Segunda é dia de Pinella Rock, com o DJ Thiago Freitas; na terça tem Pinella Jazz com a banda BeJazz; na quarta, Pinella Musical, voz e violão com artistas locais cantando música popular brasileira; na quinta, Pinella Discotecária, com o DJ Ben Duanny, do projeto O Discotecário, com brasilidades, blues, jazz e rock; na sexta, Pinella de Bamba, samba de raiz com artistas consagrados da cidade e aos sábados, Pinella Dance, flashback com o DJ Maraskin. Confira a agenda no www.pinella.com.br.

O Pinella é o seu lugar, seja para bater papo com a turma, ficar só ou paquerar. Afinal, o bar recebeu o Prêmio Veja Comer & Beber 2017, como o melhor de Brasília na categoria: para paquerar. E, ainda, foi selecionado como um dos melhores bares com música ao vivo da cidade. Vamos matar a saudade! Vamos Pinellar!

Pinella

Endereço: CLN 408, Bloco B, Loja 20 – Asa Norte
Telefone: +55 61 3347 8334
Horário de funcionamento: 17h à 01h, de segunda a quarta-feira. Quinta, sexta e sábado até às 02h. Fechado aos domingos.
Site: www.pinella.com.br
Facebook: www.facebook.com/pinellacafe
Instagram: @pinella408norte
Twitter: @pinella408norte

Anterior Ritmos para todos os gostos no Otramanera Cocina Latina
Próximo Cantucci Bistrô promove jantar harmonizado com uísque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *