A Mimosa fala da luta dos travestis em busca de respeito


A Mimosa
Alexandre Ribondi e João Lucas | Foto: Michael Melo

Parceria entre o dramaturgo Alexandre Ribondi e o músico português João Lucas cria espetáculo A Mimosa sobre luta dos travestis em busca de respeito

O dramaturgo, diretor e ator Alexandre RIbondi volta ao palco a partir do dia 5 de maio, com a peça “A mimosa”. Escrita em parceira com o músico e pesquisador português João Lucas, fica em cartaz na Casa dos 4, de sexta a domingo, às 20, até do dia 20 de maio. A entrada custa R$40,00 (inteira), R$20,00 (meia entrada). Classificação indicativa 14 anos. A Casa dos Quatro fica na 708 Norte, Bloco F Loja 42 – Rua das Oficinas, Asa Norte – Brasília-DF.

“A mimosa pode” – e deve – ser definida como uma peça lírica, com boas pitadas de humor. Conta a história dos encontros e desencontros de um homem com seus amores masculinos, desde os primeiros sonhos, ainda criança, passando pela adolescência, entrando na idade adulta e indo até a idade madura. Essas histórias envolvem alguns brasileiros, um português, um alemão e um belga e são todas recheadas de reflexões e lembranças. O texto faz denúncias e resgata a autoestima. Exemplo disso é o que diz o personagem, em determinado momento: “Todo gay aprende que a sua aparente derrota, denunciada pela hipocrisia da moral, é a vitória do seu desejo”.

Com humor, e com saudade, “A Mimosa” fala da eterna luta dos travestis em busca de respeito, da coragem e ousadia das chamadas “bichas loucas”, e de todas as peripécias por que pode passar um homem em sua busca incessante por amores, casamentos e… sexo casual.

A amizade entre Ribondi, de Brasília, e João Lucas, de Lisboa, vem de longa data mas, somente agora, em 2018, conseguiram tempo e oportunidade para subirem juntos ao palco. João Lucas tem trabalhado incessantemente desde que se formou, como pianista, no respeitado Conservatório Nacional, em Lisboa. O jazz e a improvisação musical são sua tônica. Editou em 2009 o disco “Abstract Mechanics” com a composição musical para a peça “Era uma coisa mesmo muito abstrata”, de Andresa Soares, considerado pela revista Jazz.pt como um dos melhores discos nacionais desse ano. Em 2013 foi editado em Luanda “Paisagens Propícias”, com o registro da música composta para a coreografia com o mesmo nome, de Rui Lopes Graça para a Companhia de Dança Contemporânea de Angola. O mesmo disco foi gravado em Portugal pela Mia Soave, dois anos depois.

Ribondi tem trabalhado em Brasília e em outros pontos do mundo desde 1970. Textos de sua autoria já foram apresentados em países como Itália, Portugal e Bolívia, além de já ter sido traduzido para o sueco e o francês. Algumas peças, escritas e dirigidas por ele, já conquistaram prêmios em vários festivais em território nacional. A obra Cru foi transformada em filme e a obra O Homem de Buenos Aires já foi roteirizada também para o cinema, linguagem que não escapa ao dramaturgo que é coautor de alguns roteiros cinematográficos. Atualmente ele é um dos proprietários do espaço cultural Casa dos 4.

A Mimosa

Local: Casa dos Quatro – 708 Norte, Bloco F Loja 42 – Rua das Oficinas
Data e hora: 5 a 20 de maio de 2018 (sempre às 20h)
Ingressos: R$40 (inteira) e R$20 (meia)
Informações: Desvio Produções Culturais – telefone 98425-6885/3263-2167
Classificação 14 anos

A Mimosa

Texto e direção de cena: Alexandre Ribondi
Direção musical: João Lucas
Elenco: Alexandre Ribondi e João Lucas
Preparação vocal: Jairo Faria
Assessoria de cenário e figurino: Andrea Valente
Fotos de divulgação: Michael Melo
Produção: Desvio Produções Culturais

CADASTRE-SE E CONCORRA A CONVITES DE CINEMA!

Anterior Projeto Humor de 5ª chega ao palco do Teatro Sesc
Próximo Capital federal recebe a 1ª edição da Food Service Brasília Expo